Motofretistas: PM multará infratores das novas regras do Contran a partir desta terça

1
1761
Motoboys SindimotoSP

A maioria dos motofretistas não conseguiu se adaptar às novas resoluções do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) e do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), que passaram a ser válidas no último sábado, dia 2 de fevereiro, mas multas não foram aplicadas, visto que a fiscalização tinha caráter educativo.

Porém, mesmo assim, a Polícia Militar começará a multar os infratores das novas regras a partir desta terça-feira, dia 5 de fevereiro.

Motofretistas SindimotoSP
Foto: Reprodução/SindimotoSP

Motofretistas: PM multará infratores das novas regras do Contran a partir desta terça

Além de um curso de qualificação e de mudanças na documentação, os motoboys precisam utilizar equipamentos de segurança que passaram a ser obrigatórios, como a antena contra linhas de pipa, protetor de pernas, conhecido popularmente como mata-cachorro, colete especial e as faixas refletivas no capacete e no baú.

A fiscalização dos motofretistas e suas motocicletas será realizada pelo CPTRAN (Comando de Policiamento de Trânsito) da Polícia Militar.

Caso o motofretista não esteja de acordo com as novas regras, a penalidade poderá variar de multa de R$ 127,69 (além de cinco pontos, por se tratar de infração grave, na Carteira Nacional de Habilitação), até multa de R$ 191,54, mais sete pontos na CNH (infração gravíssima) e apreensão do veículo.

Durante a última sexta-feira, dia 1º de fevereiro, o Sindimoto SP (Sindicato dos Mensageiros, Motociclistas, Ciclistas e Mototaxistas de São Paulo) fez uma carreata em protesto contra a fiscalização das novas regras. No protesto, os motofretistas questionaram o prazo dado à categoria para cumprir as exigências. Segundo a PM, cerca de 2 mil trabalhadores estiveram presentes na manifestação.

O protesto, que durou mais de quatro horas, iniciou-se no Sindimoto SP, na rua Doutor Eurico Rangel, no Brooklin Novo, zona sul de SP, e teve como destino final a Avenida Paulista, na esquina com a rua Augusta, local do escritório da Presidência da República em São Paulo.

Uma carta com propostas e um panorama do cenário dos motoboys hoje em todo o Estado foi entregue à presidente Dilma Rousseff.

O sindicato da categoria diz que, em todo o Estado, há 50 locais autorizados a ministrar o curso para cerca de 500 mil motofretistas.

Eles também dizem que a emissão de documentos também é dificultada pela prefeitura da capital. Outro problema apontado é o alto custo para se adequar às regras.

De acordo com os números da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e do Detran (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo), até agora, somente 7% dos motofretistas da capital cumprem a legislação. A categoria reclama das dificuldades encontradas pelos motoboys para cumprir as exigências.

Com informações do Portal R7

1 COMENTÁRIO

  1. Vai parar sao paulo de novo!! Se 20 mil ja deixou um caos na semana passada imagine uns 200 mil e com razao,bando de FDP esses que infelismente nos governam,se nao tem curso pra todos como e que vao multar a categoria que se mata por mil reais por mes.A burocracia que se tem pra colocar placa vermelha e enorme e custa caro,pra vc fazer o curso e exigido um monte de documentos depois pra por a placa vermelha vc precisa tirar tudo de novo e pagar novamente.E uma mafia esse pais de terceiro mundo,e sacanagem uma atraz da outra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


+ oito = 16