24.4 C
São Paulo
quarta-feira, 22 setembro 2021
spot_img

Flat Track 2021 terá no elenco uma inédita motocicleta de uma marca nacional

Criação do modelo é compartilhada pelo mecânico Clóvis Castello e pelo piloto Marcelo Silvério, amigos – e experientes profissionais – há mais de 30 anos

Clóvis Castello e Marcelo Silvério compartilham dezenas de capítulos de suas vidas. O cenário, claro, não poderia ser outro: as pistas! Agora, mecânico e piloto, amigos há 35 anos, empregam todas suas habilidades, faro e feeling na criação de uma motocicleta importada, mas com desenvolvimento nacional, que vai estrear no Flat Track, categoria desafiadora e de alto nível competitivo no motociclismo. Para a edição 2021, os profissionais se debruçam na adaptação do modelo 250TS da MXF Motors, versão forte, de fácil controle e que permite bastante adaptação, especialmente no motor e suspensão.

“O Flat Track exige alguns ajustes. O que nos ajuda e facilita em todo o trabalho é termos uma moto de qualidade já de fábrica. As suspensões, dianteiras e traseiras, tiveram que ser modificadas a fim de fazer com que o chassi ficasse mais próximo do solo. Esta modificação tem como objetivo deixá-la mais dura e progressiva. A carburação também já passou por alterações”, revela Castello. E embora faltem apenas alguns dias para o evento, o trabalho ainda não está concluído. O motor é o foco da dupla nesta reta final de preparação. “Para chegarmos no ponto ideal, tirando sempre o melhor daquilo que já nos foi fornecido, que é a MXF 250TS”, elogia o mecânico.

Todos os anos, o nível da competição aumenta – e muito. Alguns pilotos que estarão na pista competem no país e além das fronteiras também. Marcelo Silvério é um destes feras. Piloto da equipe Oasis Motorcycle Race, competiu em 2020 na 1ª etapa do Campeonato Mundial de Flat Track na Espanha, tornando-se o primeiro brasileiro a se aventurar na Europa. Silvério figura no Top 20, entre os melhores pilotos do mundo. “Parei [de pilotar] e voltei várias vezes. Numa dessas, o Saçaki [Eduardo Saçaki, conhecido popularmente como o “japonês voador”], um dos melhores pilotos de motocross do país e meu amigo, me convidou para provar o Supermoto. Foi amor à primeira tocada! Voltei com tudo e no mesmo momento iniciava o Flat Track no Brasil, uma categoria que me fisgou”, conta o piloto. Marcelo aprendeu as técnicas da disputa nos Estados Unidos ao lado de Johnny Lewis, número 10 do ranking americano. “De lá para cá volto todos os anos para competir em Daytona na Bike Week. Já fui três vezes e, inclusive, em 2019, trouxe um troféu de 1º lugar na categoria master 30 na pista de meia milha”, lembra o experiente piloto que lá no seu aniversário de um ano de idade ganhou a primeira moto e das duas rodas jamais pensou em se separar.

Casamento tão perfeito quanto o que tem com Castello, seu parceiro profissional há 35 anos. Juntos, piloto e mecânico conquistaram muitos títulos – como, por duas vezes, o Campeonato Brasileiro de Motocross em 2007 e 2008 e os títulos de campeões brasileiros de Supermoto, Cross Country e Flat Track – e perderam outros também. Já compartilharam risos e alegrias, dias de glória e de muita luta. “Nessa última no On Track [competição virtual de Flat Track] foi inesquecível, sem treino, moto nova, fizemos o melhor tempo do dia, ganhamos a Heat e, na largada da Semi, a bobina da moto queimou. Nada que pudéssemos fazer, a não ser lamentar”, lembra Marcelo, agora esboçando um sorriso no rosto.

A persistência e o enfrentamento dos desafios são as lições de vida de Castello. Aos 65 anos, ele tem paixão pelo motociclismo desde muito tempo. “Desde 1970 para ser mais exato”, conta. Em São Paulo, Castello trabalhou para grandes marcas, como a Honda, Moto Matsuo, Velomoto, Yamaha, através da Moto Sol. Veio para o Paraná há 37 anos e na bagagem trouxe um enorme desafio: trabalhar com o lendário Nivanor Bernardi (uma lenda no motociclismo), para a Agrale. “Conquistei então o Campeonato Hollywood e muitos outros que vieram. Passei por muitos desafios, pilotos, campeonatos e, sempre, por crescimentos!”, diz, com sabedoria.

E foi apenas em 2018 que Castello viu o esforço se tornar recompensador: naquele ano, ele foi convidado para se tornar chefe de equipe do Brasil no Campeonato Mundial das Nações, conquistando a melhor colocação da história na categoria Supermoto. Clóvis apresentou a perseverança para Marcelo.
E Marcelo apresentou ao amigo o ousado Flat Track. Tal qual feijão com arroz ou queijo e goiabada, a combinação deu muito certo. “O Marcelo me mostrou esse novo mundo e foi inevitável ficar encantado e querer desenvolver mais e mais. Agora temos este desafio: montar a primeira motocicleta de uma marca nacional para competir na modalidade”, conta. “Com isso vamos sempre em direção às melhores expectativas, a fim de superar os nossos próprios resultados. Afinal, nosso maior adversário somos nós mesmos.”

Modelo 250TS da MXF Motors é de fácil controle e permite adaptação

Unidos pelo desafio e amor pela moto e competição, a caminhada vai indo bem, madura, há mais de três décadas e colocada em evidência a cada nova disputa. Que venha, então, o Flat Track 2021! A prova está marcada para o dia 22, na Arena Lucky Friends Rodeo Motorcycle, em Sorocaba (SP). A iniciativa é da Liga Brasileira de Flat Track.

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


nove − 5 =

 

Stay Connected

22,511FãsCurtir
2,952SeguidoresSeguir
18,400InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles