Yamaha Ténéré 250 x Honda XRE 300

24
1448

Após o lançamento da XRE 300, a Yamaha se mexeu e trouxe um nome de peso para disputar espaço na categoria trail.
Mas será que a XTZ 250 Ténéré é páreo para a Honda?

por Pablo Berardi fotos Motore Produtora/Renato Durães

Depois de uma história de muito sucesso nas décadas de 80 e 90, a história da Ténéré começa a ser reescrita novamente no Brasil. A princípio, a novidade fica por conta da “miniatura” da espécie, a Ténéré 250 que foi apresentada no fim de outubro para a imprensa brasileira.

Com praticamente a mesma base mecânica da Lander, a Ténéré logo enche os olhos pelo visual mais moderno e robusto da dianteira. O conjunto frontal é claramente inspirado na Superténéré 1200 e, finalmente, utiliza lâmpadas de 55W no conjunto óptico. Na verdade, são duas lâmpadas, uma reservada para o farol alto e outra para o baixo. O imenso tanque de combustível — marca registrada da linha Ténéré — com capacidade para 16 litros, garante uma autonomia superior a 400 km com folga. A bolha dianteira e o banco em dois níveis fecham o “pacote touring” que a Yamaha deu à Ténéré.

Vistas de lado, a diferença de estilo entre elas é evidente

A nova integrante da linha 250 da Yamaha vem com um claro propósito de desbancar a Honda XRE 300, atual líder de vendas da categoria e que vende cerca de 2 300 unidades/mês. A até então concorrente, a XTZ 250 Lander, vende apenas 400 unidades/mês. A Yamaha ainda tinha o reforço da XTZ 250X, modelo que vendia cerca de 250 unidades/mês, em média, e que foi descontinuada em fevereiro. Uma decisão no mínimo desacertada, visto que a Lander seria o modelo mais óbvio para sair de cena. Será que a pequena Ténéré tem cacife para aumentar esses números e colocar a hegemonia da Honda em risco?

O mítico nome dado já lhe rende pontos e uma credibilidade junto ao seu público. Mas passado o primeiro impacto, a Ténéré começa a mostrar que a novidade, na verdade, é uma versão touring da Lander. Não que isso seja negativo, pelo contrário, na verdade, melhoraram alguns pontos que ficaram de lado no lançamento da Lander. De modo geral, ela faz tudo o que a Lander faz na cidade e vai bem melhor na estrada, principalmente em viagens mais longas.

A Ténéré 250 ainda se destaca nas ruas como novidade

A Yamaha realmente pensou em vários aspectos para poder dar esse nome à moto, mas se tiveram a atenção em colocar um bocal de combustível mais moderno, esqueceram-se, por exemplo, do elementar bagageiro. Tal item, além de ser muito útil para a proposta da moto, ajudaria a dar um “ar” mais encorpado para a pobre traseira que a Ténéré recebeu. Olhando a moto de lado, a linda dianteira com um volumoso tanque de 16 litros ficou desproporcional em relação à traseira cabisbaixa e sem apelo estético algum.

Design a parte, logo que montamos na moto percebemos que muita coisa mudou na posição de pilotagem. O banco em dois níveis, apesar de um pouco duro, garante um conforto maior e está 10 mm mais baixo em relação ao solo, ficando a 865 mm — contra 875 mm da Lander. Além do banco, o guidão está mais fechado nas extremidades e mais baixo, deixando a posição muito mais touring. Agrada aqueles que viajam com muita frequencia, mas perde a tradicional posição mais “ativa” que uma trail oferece. Com esse novo posicionamento, fica mais fácil esbarrar nos retrovisores nos corredores e fica difícil andar em pé adequadamente em uma situação off-road.

A dianteira da XRE é inovadora, mas não agrada como a Ténéré

A tradicional Honda XRE 300 já é bem conhecida do nosso público. Tem um design que surpreendeu na época do lançamento e chama a atenção até hoje pela ousadia das formas. A dianteira do tipo “bico de pato” é o ponto mais polêmico, mas no quesito “harmonia das formas” ela ganha da Yamaha. Mesmo que tenha se tornado mais touring em relação a extinta XR 250 Tornado, a XRE 300 ainda é uma autêntica trail, com uma posição de pilotagem mais agressiva, pneus mistos e suspensões com curso 20 mm maior que o da Ténéré, por exemplo.

Na prática, essas diferentes propostas ficam claras, mas outros pontos também a distanciam. Talvez o ponto de maior diferença entre elas seja o motor. Enquanto a Honda incrementou a categoria com 50 cm³, a Yamaha ainda aposta no tradicional motor 250 que equipa a Fazer 250 desde 2006. A diferença de desempenho entre elas é pequena, mas a Honda consegue superar nesse aspecto, principalmente na retomada, onde o torque faz mais diferença. O motor da Honda é mais suave e silencioso, mas acaba transmitindo mais vibrações que a Yamaha. Além do desempenho um pouco melhor, um item que agrada é o câmbio. Com os engates bem justos e precisos, a Honda supera a Yamaha nesse ponto que é um tanto deficiente desde o lançamento da Fazer em 2006. No quesito consumo de combustível, a Ténéré foi mais econômica, rodando 26,7 km/l, contra 23,6 km/l da XRE 300.

O painel da Yamaha é mais moderno e legível

No conjunto ciclístico também existem algumas diferenças. Os chassis de aço são um pouco diferentes, mas ambos são bem adequados à proposta das motos. Com o menor curso da suspensão da Ténéré em relação à Lander, ela ficou bem mais firme e estável. Ficou mais prazerosa de pilotar, se aproximando mais da agradável suspensão da XRE 300. O menor ângulo da XRE 300 garante uma agilidade muito boa e o pneu 90/90-21 traz uma ótima estabilidade direcional. A Ténéré conta com um entreeixos mais curto e um pneu 80/90-21. Características que deixam a moto mais ágil no dia a dia. Um ponto acertado da Yamaha foi a escolha dos pneus Pirelli Scorpion da Ténéré. Muito mais adequado que os Metzeler Enduro 3 da XRE 300. Essa opção da Yamaha é mais indicada para quem passa parte do tempo no asfalto e eventualmente faz uma incursão no fora de estrada. O pneu é mais silencioso e tem uma vida útil maior. O modelo da Metzeler — que também equipa a Lander — é muito ruidoso no asfalto e tem uma vida útil reduzida. É exageradamente voltado para o uso na terra.

O bocal do tanque da Honda é ultrapassado, principalmente se comparado ao da XTZ

Um item que a Yamaha pecou novamente são os freios. Desde o lançamento da Fazer em 2006 e, posteriormente, da Lander em 2007, reclamamos desse ponto. Para a Ténéré disseram que substituiram o flexível. Mesmo assim, os freios estão longe do ideal em potência e dosagem no sistema dianteiro e traseiro. A Honda oferece uma frenagem mais forte e dosável e, na versão avaliada, ainda pudemos contar com o exclusivo sistema C-ABS. Recurso indispensável de segurança e que não consta no catálogo da Yamaha.

Nos equipamentos, a Tenéré se destaca no dia a dia com farol de duplo refletor, lampejador de farol alto e um bocal de combustível mais moderno e esportivo. Além disso, o moderno painel de instrumentos permite uma leitura mais fácil. A XRE parece estar parada no tempo quando visualizamos o punho de luz igual ao da CG básica e o velho bocal de combustível, que existe desde a década de 1980. Entretanto, a moto compensa essas deficiência com balança de alumínio e belos aros de alumínio pretos. A Ténéré usa os tradicionais componentes de aço e o seu miolo de ignição permanece duro e sem sistema de trava.

A traseira da XRE é muito mais harmoniosa que a da Ténéré

Optar entre um das duas não é tarefa fácil, pois apesar das propostas um pouco diferentes, os preços  são semelhantes. Em São Paulo, a Honda XRE 300 deixa a concessionária de você pagar, em média, R$ 13 300 enquanto a Ténéré não sai por menos de R$ 13 000. Pela ínfima diferença de preço, a decisão fica por gosto pessoal. O que você prefere? A novidade de apelo mais touring ou uma autêntica trail?

A Ténéré chama mais a atenção nas ruas com sua dianteira imponente e moderna. Ágil e equilibrada, ela é muito prazerosa para rodar e não se sente falta do motor da XRE. Em compensação, o câmbio justo, os freios impecáveis (com opção de ABS) — além do “plus” de potência —, deixam a XRE 300 com a vitória do comparativo.

Pablo Berardi (Ténéré) utilizou calça (Panic), jaqueta (VTone), bota (Targa Florio) e capacete (RR600) da SBK. Gabriel Berardi (XRE 300) utilizou calça (Panic), jaqueta (Mojave), bota (Targa Florio) e capacete (RR800) da SBK.

24 COMENTÁRIOS

  1. XRE 300 é uma porcaria cheia de defeitos de fábrica, que não são resolvidos pela CC.

    Devia levar nota Zero em todos os quesitos, o que importa um freio ABS se o motor derrama óleo na sua cara, a moto morre a cada 10 metros, e o atendimento é tão ruim quanto morar no inferno.

  2. Morro em Caiena na Guiana Francesa e rodo em moto desde 1987.
    Minha moto preferida em Caiena é Yamaha, ja possui da 80 a 1100.
    Hoje estou com uma xte 660 Yamaha, mais estou pagando uma 250 Ténéré em Macapa
    pelo motivo que ja estou com uma idade e quero uma moto mais leve.
    E a Yamaha para mim em primeiro lugar, ja tive varios tipo de marcas : Honda, Kawasaki e Suzuki
    e para mim a melhor marca foi a Yamaha.

  3. Em relação a Teneré faltou melhorar a suspensão dianteira, e dar um visual mais agressivo na traseira pois a mesma é muito magrela e não combina com a parte dianteira da moto. Acho que não foi uma boa ideia da Yamaha fazer uma moto boa pra viagens sem nenhum bagageiro de série ou uma adaptação para o mesmo (A não ser com a gambiarra) Cadê os raios em inox ou alumínio? esses aí ficam enferrujando. E por quê a traseira não tem lanterna em led?
    Quanto a XRE se melhorasse um pouco a frente deixando-a mais moderna juntamente com os comandos e painel, além disso botasse um banco confortável feito o da falcon ficaria uma moto 10.

  4. NÃO TEM MELHOR OU PIOR…
    OS TESTES SÃO FEITOS DE FORMA DITATÓRIA… MANIPULAÇÃO DA MÍDIA…
    OQ É BOM PRA UNS NÃO É BOM PRA TDS….
    UMA TEM MOTOR 300… A OUTRA 250…
    UMA TEM 4 VÁLVULAS… A OUTRA 2….
    UMA TEM 145kg… A OUITRA 130…
    OS GRAFICOS MOSTRARAM MUITO BEM Q A POTENCIA DA XRE NÃO É 26cv…
    HONDA MENTI DESCARADAMENTE… E OS BITOLADOS ACREDITAM…

    TENEREzinha FAZ 32KM/L ANDANDO A VELOCIDADE CONSTANTE DE 80KM/H….
    XRE… SEM DUVIDA É UMA ÓTIMA MOTO… ASSIM COMO A TENEREzinha TB É…
    OS TESTES FALAM Q A XRE É MELHOR… A MÍDIA É FODA…
    NÃO CONCORDO… COM OS TESTES… ALGUNS SIM… POREM A MAIORIA A MÍDIA MANIPULA…
    TENEREzinha… É MUITO HARMONIOSA… MOTÃO…
    EU PREFIRO… OS MEUS IDEAIS DE QUALIDADE E AS MINHAS CONVICÇÕES…
    AROS EM ALUMÍNIO… UNICA COISA Q EU ACHO Q A TENEREzinha PRECISA… MAS OS AROS EM AÇO NÃO A FAZ PIOR …
    ENFIM ANDEM NAS 2…. E REVEJAM SEUS CONCEITOS E IDEAIS DE QUALIDADE… ABRAÇO…

  5. Muito bom comparativo, me ajudou muito
    os contras da Tenere como a traseira, é só ver um bagageiro no ML e jogar o baú em cima que fica show! ela pode ser 250 mas nunca vi ninguém reclamar de vazamento algo que já se tornou ‘normal’ desde o surgimento das 150, o preço do seguro como o amigo falou em baixo fora a visibilidade, pq bandido vai atras de falcon, xre o pq? sei lá! a tenere com sua bolha deve tirar bem o cansaço, eu mesmo tenho uma bros pego só estrada chego em casa todo dia moído só pelo vento, espero que a tenere me ajude nesse requisito, outro fator é consumo, aq neste comparativo falou-se em 26,7 mas conheço proprietários que dizem q a média fica em 30, algo excelente.. enfim a ultima moto realmente BOA da honda foi a TORNADO depois só cagada.
    Espero poder adquirir logo minha tenere e desfrutar do melhor da pilotagem!
    abraços

  6. Muito bacana o comparativo, mas sempre há os bons e velhos erros…
    Ténéré sem sistema de trava? Eu travo o guidão da minha como? Mágica?
    Vamos prestar mais atenção no que é publicado, ainda mais quando testamos dois produtos concorrentes para poder fazer um teste idôneo sem deixar suspeita de estar privilegiando um ou outro produto.

  7. Primeiramente gostaria de parabenizar esses caras pelo teste entre as duas motos, e concordo que as duas motos tem suas vantagens, gosto muito de honda sempre tive motos da honda, mas confesso que já estava com vontade de comprar uma yamaha fazia tempo, porém a moto que me atraia era a 660r, isso mudou quando fui em uma concessionaria e vi a ténéré 250.
    A minha duvida era entre a xr 300 e a ténéré 250, mas depois do video e também após andar nas duas escolhi a ténéré, pelo design, economia, seguro que é muito mais barato, iluminação, conforto e de facil pilotagem.
    Para quem está com dúvida aconselho ir na concessionaria e fazer um teste com as duas prq ficar só olhando de longe gera muita duvida fica ai a dica.

  8. Sem dúvida, para não se arrepender, compre Yamaha. Tive uma Honda XLX 350R roubada, pasmem, 2 vezes e uma Sahara roubada apenas uma, pois nunca mais a vi. Sempre tive Honda achando que era a “the best” pela revenda e motor, até esses roubos, então resolvi encarar uma Yamaha e adquiri uma TDM 225 que foi uma companheirona por 8 anos, até trocá-la por uma Lander que também só tenho elogios. Estou tentado em trocá-la, por uma Tenere, por causa do tanque de 16 litros. Estou pensando, mas a certeza é que minha próxima moto será uma Yamaha. Quanto mais Hondas forem vendidas, mais a Yamaha estará segura na mão de seus donos. Pensem nisso !!!

  9. Possuo uma Lander 2007 com 55 mil rodados … Isso em trilhas, estradas ruíns, rodovias, enfim, eo todo caminho, com e sem garupa etc …
    Até o momento não me due nenhum problema ….
    Óleo, pastilha, relação, Pneus ….
    ótima moto, muito resistente e competente, o cambio é muito robusto …
    Segue a tradição da Yamaha que tanto faz sucesso em competições ….
    Não vejo a hora de por a Mão em uma 660 Ténéré … dai sim … perfeita.

  10. Olá, estou pensando em comprar uma tenere 250, por vários quesitos mas principalmente por causa do preço. Mas confesso que quando fui ver a moto fiquei com medo, ela parece um “monstro” no bom sentido. Tenho 1m65 de altura e peso 50 kg. Imaginem só? Sumi perto dela. Na opinião de vocês motoqueiros mas experientes, corro o risco de me arrepender da compra? Deveria comprar uma “Broz da Honda”? sem sacanagem.
    Observação: nunca andei em moto acima de 150 cc.
    Favor respeitem meu medo e minha duvida. rs
    Valeu.

    • comprendo seu receio pela altura da moto. Na oficina pode pedir para baixar a suspensão traseira e dianteira se precisar. Com o tempo vc acostuma e será só alegria. A maior dificuldade é com a moto parada. Abraços

  11. Eu queria muito andar nas duas pra ter certeza se vou fazer a compra certa. Tenho um XTZ 250 X 2009, e pretendo vendê-la ano que vem, assim que quitá-la, porque ela saiu de linha e já será uma moto com 3 anos de uso. Estou mais inclinado à Tenere, ainda mais agora na cor azul que ficou linda. A Honda lançou a XRE verde que também ficou muito bonita… ow dúvida cruel!

  12. Olá amigos do BEST RIDERS tudo bem, por causa desta matéria que acabei decidindo a minha compra.
    Faz uma semana que fechei negócio em uma XRE 300 PRETINHA 2011/2011, estou muito satisfeito com este novo bem adquirido, mas antes de finalizar esta compra ainda cheguei a fazer um TEST DRIVE em uma TÉNÉRÉ 250.
    Também gostei muito, principalmente a POSIÇÃO DE PILOTAGEM, contrariando a opinião de um dos condutores no vídeo do BEST RIDERS, outro comentário referente às opiniões dos condutores, A TRASEIRA DA MOTO É MUITO ULTRAPASSADA, vem sem o bagageiro, que na hora de colocar um baú vai gerar um custo maior para o condutor, no caso da XRE 300 já vem com este acessório (muito bonito por sinal) e já diminui o custo financeiro.
    Mas a XRE 300 não é tudo maravilha, seu painel digital é completo, mas fazer a leitura dos dados é complicado, no caso da TÉNÉNÉ 250 além de ser mais bonito é muito legível.
    A TÉNÉRÉ 250 e muito linda, do tanque para frente, outro detalhe é a questão do motor, é uma tecnologia testada há mais tempo e em minha opinião mais garantida, no caso da XRE 300 já tive amigos reclamando de problemas no moto nos primeiros modelos da CB300R e XRE 300.
    Em minha opinião como condutor doméstico, o que mais pesou na hora da compra, foi o preço de revenda, aceitação do público em geral e manutenção, como eu não fico mais de dois anos com a mesma moto, ajuda na compra de outro modelo, mesmo de marca concorrente.
    Mas garanto para todas as duas motos são ótimas, lindas e versáteis, na hora do vamos ver, e para muito vai à emoção, gostou leva.

  13. Muito bom , só queria falar que a Honda peca no quesito ruido do motor , corrente de comando esticador fazem muito barulho enquanto a Yamaha e silenciosa , a Honda parece que o motor vai moer tudo dentro , será que os engenheiros não vêem isso !
    A strada , a Twister , XRE .
    Se fosse comprar uma moto compraria uma Yamaha só por isso .
    O roubo de motos é um item que contribui para a desistência de compra de moto , já fui roubado , tenho até vontade de comprar uma moto nova , mais quando lembro como é fácil ficar sem desisto.
    As fábricas deveriam fazer um projeto de localização da moto ou motor da mesma algo que tornasse impossível dos ladrões terem exitô , com tanta tecnologia disponivel e até agora nada .

  14. Estava na dúvida qual das duas motos eu vou comprar!!
    Mas acabei de receber a cotação do seguro e a XRE300 é quase 3 vezes mais caro que a tenere250. Minha dúvida foi pro espaço.
    Já tive uma Sahara350NX e me levaram em duas semanas. Eu estava andando e apontaram um revolver e levaram minha moto. Já ouvi muito dizerem que yamaha é menos vizada e pelo preço do seguro dá pra ver que é verdade.
    Outro fator que estou vendo (talvez até esteja errado), mas todos os comparativos e opiniões sobre a CB300R e a Fazer250, o pessoal fala que a Fazer bate a CB300R. Então vou ficar com a Yamaha mesmo.
    Motivos:
    – Bonita as duas são (apesar do bico da XRE;
    – Tenere mais economica;
    – Preço mais em conta;
    – Seguro infinitamente mais barato;
    – Menos vizada para roubo.
    – Painel mais moderno.
    – Dá impressão de maior porte (pelo tanque de gasolina).
    Bom, essa é minha opinião.

    Abraços

    Gilberto

  15. caros amigos o video está muito bom
    mas eu tenho que concordar com o joazito, acabaram mesmo com yamaha
    é logico que um motor maior como o da XRE 300 é mais potente.
    mas e entao pq testar as duas motos com motores diferente
    cadê o custo/desempenho? Coloca as duas na estrada de chão e abre um racha so pra ver
    quem fica atraz?, pq a teneré com certeza sai na frente e sempre chega primeiro mais depende do piloto
    para mim a teneré brasileirinha é a melhor
    é minha opinião já rodei nas duas
    e gosto é gosto todo tem um .
    abraços

  16. Nossa vocês acabaram com a Teneré 250, affff primeiro site que vi que fez isso.
    Primeiro – Até hoje nunca ouvi falar que a Yamaha foi a primeira moto com injeção eletrônica, engraçado né. Mais todo mundo fala que Honda tem ABS, que a Honda tem moto flex (que não presta), que lançou os modelos 300 que tem um vazamento de óleo que ninguém fala (é só entrar no reclameaqui.com e verão o que estou falando).
    Segundo – A Yamaha saiu na frente sim das concorrentes, tive uma LanderX e pra mim foi a melhor moto que tive e na época todos “metiam pau” nos freios e isso e aquilo e pra mim ótima moto.
    Terceiro – Moto fabricada apenas no Brasil, ao invés de elogiarmos a marca não o brasileiro tenta achar defeitos como o da rabeta que pra mim é questão de gosto e gosto não se discute e nem colocasse em pauta.
    Quarto – A tacada da Yamaha de voltar com o nome Teneré ao meu ver é só elogios.
    Parabéns pelo vídeo isso é apenas opnião minha.
    Abraço a todos.

  17. Meus Caros Berardi!
    É isso… depois de assistir o vídeo a gente já fica se sentindo amigão de vocês. Que show de comparativo, perfeito no texto informal e competente, na apresentação simpática de peito e papo aberto nesse vídeo pra lá de pró…que maravilha de locação! Que trabalho bacana!
    Parabéns!
    Best Riders vai voar bem alto.
    Saudações piraquaras.
    Daniel SJC

  18. Fiquei muito feliz ao achar esse teste comparativo com a moto que quero comprar (a ténéré 250) e ver que os 2 craques do assunto é que fizeram o comparativo. Acompanho vocês desde a revista Motociclismo e estava ansioso pelo novo projeto de vocês…
    Parabéns pela abordagem diferenciada que usaram no teste, sucesso para vocês nessa nova empreitada! Podiam dizer que praia é essa que estavam, achei muito foda pra ficar de boas relaxando! (já pensando no rolê de motocicleta pro fim de semana!)

    Grande abraço!

    Marcelo de Barros

  19. A Ténéré 250 foi uma grande jogava da yamaha, porem com o valor dela eu compraria uma Ténéré 600 e reformaria. A respeito da xre achei uma bela moto, porem não é capaz de substituir a falcon e é menos of que a Tornado.

  20. Gostaria de dar os parabéns a todos envolvidos na produção do vídeo e do teste. Não só o texto é consciso e coerente, como o vídeo é explicativo e incrivelmente bem produzido.
    Outro fato que chamou a minha atenção, são os dados técnicos. Eles são claros até mesmo para quem tem pouco grande conhecimento em motos.
    Desejo a todos vocês do Best Riders, muito sucesso. Espero que o internauta brasileiro que goste de motocicleta, enchergue neste novo e ótimo site, toda a qualidade e inegável conhecimento de seus profissionais.
    Parabéns e continuem sempre assim, atentos aos detalhes e caprichosos, afinal, nós mereciamos um site de primeira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


oito − 6 =