Vídeo-Teste: Dafra apresenta oficialmente a Roadwin 250R

Últimas, Video Teste

Untitled from Best Riders on Vimeo.

A Dafra Motos apresentou ontem (8) a novíssima Roadwin 250R, a primeira Dafra carenada de 250 cm³. Lançada no mercado brasileiro em uma categoria muito concorrida, ela vem para brigar por mercado com a Kawasaki Ninja 250, Kasinski Comet 250 e Honda CBR 250 (que chega ao Brasil no final de fevereiro).

Com um belo design o modelo busca atingir o público que sonha com uma moto esportiva, mas que também precisa de um preço acessível. A apresentação oficial do modelo foi realizada na pista da Fazenda Capuava, que fica na cidade de Indaiatuba, interior de São Paulo.

Creso Franco, diretor da Dafra, falou um pouco dos planos da marca com a vinda da Roadwin para o Brasil. Para ele o mercado nacional é um dos mais exigentes e plurais do mundo e é por isso que a Dafra vem realizando parceiras estratégicas buscando oferecer modelos para os mais diversos públicos.

 

Untitled 1 Vídeo Teste: Dafra apresenta oficialmente a Roadwin 250R

Creso Franco ( esquerda) e Alexandre Gaspar (direita)

A Roadwin nasceu da parceria realizada com a coreana Daelim, que é líder de mercado na Coréia, possuindo uma fatia de 2/3 do mercado. Além disso, a empresa que completa 50 anos em 2012 fabrica peças para os carros da Honda e Hyundai.

Alexandre Gaspar, gerente de desenvolvimento e marketing da Dafra, nos contou como foi o processo de desenvolvimento e adaptação do modelo para nosso mercado. Em comparação com a Roadwin coreana, o modelo brasileiro possui linhas mais agressivas, principalmente na traseira que foi completamente redesenhada deixando a moto com uma cara mais esportiva.

A lanterna traseira perdeu o formato arredondado, diminuiu e incorporou lanterna LED. As alças traseiras também são novas, a tampa do tanque é do estilo aviação e o assento é bipartido.

DAFRA Roadwin 250R Detalhe 15 Vídeo Teste: Dafra apresenta oficialmente a Roadwin 250R

Traseira completamente redesenhada deu um toque especial a Roadwin 250R. Foto: Divulgação

Para se adaptar as condições de nosso país tropical a moto sofreu mudanças na calibração do motor e suspensões, passando por rigorosos testes em um dinamômetro especial, que reproduz o piso acidentado das cidades brasileiras.

A moto não possui um nível de nacionalização muito alto e os principais itens nacionalizados foram: piscas, rolamentos, pneus, pastilhas de freio e kit completo de relação. O motor de 247 cm3, monocilíndrico, quatro tempos, DOHC (Double Overhead Camshaft – duplo comando de válvulas no cabeçote), quatro válvulas e sistema de injeção eletrônica, alcança potência máxima de 24 cv a 9.000 rpm, torque máximo de 18,9 N.m a 7.000 rpm e velocidade máxima real de 130km/h. Além disso, para obter melhor desempenho e maior durabilidade do motor, o sistema de resfriamento é líquido com radiador.

3 Vídeo Teste: Dafra apresenta oficialmente a Roadwin 250R

Segundo Creso, atualmente o mercado da categoria do Roadwin comercializa cerca de 800 motos/mês no Brasil e ele prevê um crescimento em 2012 para 1000 motos/mês. Desse montante a Dafra espera capturar 1/3 dos consumidores com o lançamento da Roadwin.

Um dos trunfos da fabricante nesta briga é o preço, pois a Roadwin 250R já está disponível nas concessionárias Dafra a partir de R$ 12.490,00 (a moto mais barata da categoria) e 1 ano de garantia. Então se você quer entrar para o mundo das esportivas esta é uma boa opção. Querendo agradar a gregos e troianos a Roadwin 250R chega ao mercado nacional aliando conforto e esportividade.

9 Vídeo Teste: Dafra apresenta oficialmente a Roadwin 250R

Fotos: Marcos Brasil/ Best Riders

12 comments

  1. Não gostei dessa moto, parece muito amadora em comparação com a Ninja e a CBR, além disso o painel e o escapamento são horríveis. Porém acho que a Dafra foi mais assertiva no projeto da Next 250.

    Responder
  2. CORRIGINDO O QUE EU POSTEI A UM TEMPO ATRAZ;Odiei a nova traseira,eles removeram as alças internas que ficavam embaixo da rabeta as quais eram Muito úteis para viagens e não gosto da ideia de usar um pisca-pisca de natal no lugar da lanterna traseira e como se retirar 68% da parte plastica da traseira fosse realmente influenciar na esportividade da moto…
    + esportividade uma ÓVA, ADULTERARAM a traseira da moto só pra não ficar parecida com a shineray 200,e 12.490,00R$ é muito caro pra uma moto ADULTERADA que deveria custar de 8.500,00 a 9.000,00R$…e oq realmente me interesa é se a Dafra vai dispor de peças ORIGINAIS caso os FÂNS queiram ter uma Moto igual as vendidas na Coreia e Europa…
    honestamente não me conformo em esperar por essa moto por 4 anos…e a dafra me adultera a moto.

    Responder
  3. Achei engraçado a falta de preparo do representante da DAFRA.

    Alem de pouco eloquente, teve a cara de pau de dizer que o mercado brasileiro é um dos mais exigentes do mundo e as motos vendidas aqui são as mais top…

    Responder
  4. Eu entendo que pra entrar em uma briga dessas, é necessário oferecer um produto `a altura da concorrência, com atrativos de no mínimo de esportividade, a começar pela potência.
    Não acredito que um consumidor que sabe o que quer e é bem informado, queira deixar de ter uma moto de 2cilindros por uma de 1, e pior, sendo de 250cc permita que as 125cc da vida chegue bem pertinho!!!
    Ah, e sem falar no custo/benefício, né, que no meu entender as 250cc de 1 cilindro proporcionalmente estão mais caras que as de 2cilindros.
    Portanto, a Dafra deveria ter uma consultoria mais eficiente e que focasse em atingir o gênero com mais propriedade.
    Afinal, o consumidor brasileiro ainda se prende a uma cultura em que pra ter uma boa revenda, basta comprar a marca líder do mercado.
    Pra que o quadro mude, só depende da concorrência, que ao meu ver, não poderia deixar de mencionar a Kasinski que já está pensando dessa forma!!

    Boas compras!

    Responder
  5. Parabéns pela matéria, Renato! Best Riders é sem dúvida o melhor canal do motociclista!!!!!

    Responder
  6. Odiei a nova traseira,eles revoveram as alças internas que ficavam embaixo da rabeta as quais eram Muito úteis para viagens e não gosto da ideia de usar um pisca-pisca de natal no lugar da lanterna traseira e como se retirar 68% da parte plastica da traseira fosse realmente influenciar na esportividade da moto…
    + esportividade uma ÓVA, ADUTERAM a traseira da moto só pra não ficar parecida com a shineray 200,e 12.490,00R$ é muito caro pra uma moto ADUTERADA de veria custar de 8.500,00 a 9.000,00R$…e oq realmente me interesa é se a Dafra vai dispor de peças ORIGINAIS caso os FÂNS queiram ter uma Moto igual as vendidas na Coréia e Europa…
    honestamente não me conformo em esperar por essa moto por 4 anos e a dafra me adutera a moto.

    Responder
    • Não concordo com seu comentário. Pois a moto esta muito bem feita o 24 Cv é pra moto ter um baixo consumo em altas estradas, pois a comet com 32cv ira bebe muito mais.

      Responder
  7. boa reportagem, jovem!

    Responder
  8. muito boa a reportagem parabéns Renato!

    Responder
  9. Paga mais 1500 e leva a Comet? Só se for em promoção porque o preço dela é 15000. Então acho que é mais ou menos como o caso da Comet GT 650 na categoriaa 600 naked, a Comet é inferior às concorrentes, mas tem o melhor preço.
    Acho que a Roadwin é uma opção muito válida e só acrescenta ao crescente mercado brasileiro de motos. Só temos que comemorar.

    Responder
  10. Boa Renatón, mandou bem! Abs

    Responder
  11. Como consumidor pago mais 1.500 contos pra levar a Comet GTR pra casa. Pular de 24cv para 32cv faz boa diferença. Pelo que eu vi não oferece muito além de uma Fazer, senão a “roupa”. Pra mim ela pecou um pouco no desing no painel, ficou meio pobre, falta algo. Por outro lado a Roadwin está bonita, e está bem a frente da Shyneray 200.

    Responder

Comentário Best Riders


+ 3 = sete