Usadas: dicas para comprar uma Ténéré 250

0
332

Aventureira de 250cc da Yamaha oferece baixo consumo e pode ser encontrada a partir de R$ 10 mil. Mas fique atento a alguns problemas crônicos

TENERE_06_2018
Infográfico mostra as principais mudanças da primeira para a segunda geração 

TEXTO: Cicero Lima / Agência INFOMOTO
FOTOS: Agência INFOMOTO e Divulgação

Usadas: dicas para comprar uma Ténéré 250

A pequena Ténéré 250 é o sonho de consumo de quem precisa de uma moto robusta e valente para aventuras na cidade ou na estrada. Lançada em 2011, a Ténéré oferece mais conforto que sua “irmã” Lander e a mesma economia e confiabilidade que a street Fazer 250. O motor de um cilindro com 249 cm³ de capacidade atinge potência de até 21 cv a 7.500 rpm e o torque máximo de 2,10 kgf.m chega nos 6.500 giros.

TENERE_07_2018
Primeira versão foi lançada em 2010 como modelo 2011. Foto: Gustavo Epifanio / Agência Infomoto
TENERE_12_2018
O motor garante velocidade de cruzeiro de 120 km/h sem fazer grandes esforços. Foto: Doni Castilho

A maior atualização do modelo aconteceu em 2015, quando recebeu o propulsor flex (gasolina/etanol) com poucas mudanças no desempenho. Contudo, o modelo, que passou a se chamar Ténére Blue Flex, ficou mais moderno (e caro) com painel digital, lanterna em LED na traseira e alças da garupa em alumínio.

TENERE_01_2018
Lanterna e piscas na primeira geração da Ténéré, faltava sofisticação
TENERE_02_2018
A segunda geração da Ténéré trouxe LED na lanterna e alças em alumínio
TENERE_03_2018
O painel, totalmente digital, chegou na segunda geração
TENERE_11_2018
Versatilidade na cidade, na estrada e no off-road garantiu o sucesso da Ténéré. Foto: Gustavo Epifanio

Ainda assim, sua linhagem “aventureira” foi mantida. A Ténéré permite viagens na faixa dos 120 km/h e chega aos 135 km/h de velocidade máxima. O consumo fica na casa dos 30 km/litro e o tanque de 16 litros garante autonomia superior aos 450 km. Claro que esse consumo (e desempenho) está ligado à pilotagem e a forma como o piloto utilizará o acelerador e o câmbio de cinco marchas.

TENERE_10_2018
Tanque de 16 litros oferece autonomia superior a 450 km

Rodadas e confiáveis

Pesando 137 kg (a seco), o modelo usa roda de 21 polegadas na dianteira, sendo capaz de encarar estradas esburacadas e com lama. Pela sua proposta de ser uma moto para viagens e aventura, é fácil comum encontrar exemplares com mais de 150 mil km rodados, que, ainda assim, estão em ótimo estado. Mas, exigem atenção a detalhes na hora da compra.

TENERE_09_2018
Roda raiada de 21 polegadas na dianteira é o grande atrativo para os aventureiros

Um deles é o vazamento na junta do cilindro. Infelizmente, é um problema que aparece em diversos relatos de proprietários nas redes sociais. Embora seja de fácil solução, o reparo exige que se desmonte a parte superior do motor. De acordo com o mecânico Alexandre Sauro, da Iron Machine (São Paulo, SP), o custo da mão de obra para este reparo gira em torno de R$ 600. O profissional diz ainda que mesmo exemplares da Ténéré 250 com apenas 15 mil km rodados já apresentaram o defeito. “É um problema que não chega a condenar a moto, mas o valor do conserto e das peças deve ser descontado na hora da compra”, ensina.

Rangidos e recall

Outro problema clássico do modelo é o rangido da suspensão traseira. “Em alguns casos, basta desmontar e lubrificar. Em outros, é preciso substituir componentes da suspensão o que é muito caro”, alerta o mecânico. Segundo ele, caso a moto apresente o rangido é importante levar para um mecânico avaliar.

TENERE_05_2018
Rangido na suspensão sempre foi um problema recorrente na Ténéré e merece atenção do comprador. Foto: Gustavo Epifanio

Esse problema em específico pode ser um fator para cancelar a compra, pois mostra que o dono anterior não era dos mais cuidadosos com a lubrificação da moto. “A cada 10 mil km é necessário desmontar a suspensão e lubrificar todo o sistema”, diz Alexandre.

Ele também lembrou que a Ténéré, anos 2016 e 17, tiveram chamados de recall da Yamaha, por causa de falhas no interruptor do botão de partida. Problemas no componente poderiam desligar o motor com a moto em movimento.

TENERE_04_2018
Nas versões 2016 e 2017 houve um chamado de recall para a troca do interruptor de partida

Preços das peças

Ao avaliar a moto, também é indicado conferir o desgaste de peças, como a relação final e as condições de discos de freios. Embora a Ténéré não seja uma moto de luxo, o preço desses componentes pode assustar. O disco de freio dianteiro, por exemplo, custa R$ 400, enquanto a relação original está avaliada em R$ 683 nas concessionárias (veja box).

Componentes eletrônicos, como o painel, também merecem atenção. Se houver algum problema e for preciso trocá-lo, a peça sai por R$ 1.327 nas revendas da Yamaha.

TENERE_08_2018
O painel, totalmente digital, chegou na segunda geração

Levando esses pontos em consideração, é possível ter na garagem uma excelente moto. Mesmo com muitos quilômetros no painel, se uma Ténéré 250 recebe a manutenção devida, ela ainda pode oferecer muita aventura por anos a fio.

E como saber se a trail pretendida era bem cuidada sem avaliá-la a fundo? Simples: peça a chave reserva e o manual do proprietário. Donos criteriosos nunca se desfazem deles. É um teste que funciona na maioria das vezes e ainda valoriza a moto na hora de revender.

Quanto custa a manutenção

Confira os preços das peças originais de uma Yamaha Ténéré 250 consultados nas concessionárias:
– Manete de freio – R$ 64,53
– Manete de embreagem – R$ 31,93
– Filtro de ar – R$ 78,53
– Filtro de óleo – R$ 28,00
– Pastilha freio dianteira – R$ 143,49
– Pastilha de freio traseira – R$ 141,00
– Disco de freio dianteiro – R$ 399
– Disco de freio traseiro – R$ 395
– Relação completa – R$ 683,33
– Cabo do acelerador (completo) – R$ 208,63

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


9 − = oito