Uma grata surpresa!

0
467

Quando o pessoal do site me contatou para ajudar no teste do mês e disse que a moto seria uma Yamaha Fazer 250, confesso que pensei:”Ah..uma city sem graça”. Mas minha surpresa começou logo que recebi a motocicleta. Com linhas modernas e belas, a Fazer 250 encantou-me logo a primeira vista e me lembrou de suas irmãs de maior cilindrada.

Nunca tinha prestado muita atenção neste modelo, conhecia o antigo e por isso não me detive quando a Yamaha lançou a nova versão.

O belo e novo farol, o painel de instrumentos bonito e moderno e outros diversos detalhes de acabamento com linhas harmoniosas e sem exagero ou apelação, me chamaram a atenção. Passei a ver com melhores olhos esta naked urbana.

Quando comecei a andar nela, primeiramente na cidade e posteriormente na estrada, tive a minha segunda e boa surpresa. A Fazer é extremamente ágil e seu motor com injeção eletrônica responde bem em qualquer giro, tornando o pilotar uma boa sensação.

O giro sobe rápido, e, conduzir ela acima dos 6 000 rpm, é uma experiência bem agradável. Seu motor de 249 cm³ tem  21 cv a 8 000 rpm com torque de 2,1 kgfm a 6 500 rotações.

Estranhei um pouco o barulho do motor e a posição de pilotagem, pois achei o banco um pouco alto (altura do assento 805 mm). A relação de altura entre o guidão e o banco elevado me fez ter a impressão de que eu pilotava uma supermotard (com 1,76 m, eu não consegui colocar os pés totalmente apoiados no chão).

Por ser estreita, bem leve (137 kg) e com respostas rápidas, anda no transito com desenvoltura e passa facilmente no corredor. Na cidade, o câmbio com relação bem curta, preciso e com pequeno curso, faz com que as trocas de marcha sejam prazerosas e quase uma brincadeira. As marchas entram sem esforço e com um mínimo toque no pedal.

Eu que sou um defensor do uso de scooters no trânsito das grandes cidades pela praticidade de não precisar trocar de marcha, revi meus conceitos. Os freios (disco de 282 mm na dianteira e disco de 220 mm atrás) são precisos e de bom tato, suficientes para parar a Fazer com total segurança e sem sustos. Os comandos nos punhos, respondem bem e são fácil manuseio.

A impressão da moto foi tão boa que não resisti e levei-a para passear na estrada. Em trechos com velocidade entre 80 e 100 km/h ela se comportou bem, muito estável e com uma agradável tocada. As suspensões são bem calibradas (curso dianteiro e traseiro de 120 mm) transmitindo bastante segurança ao piloto. Nada muito duro ou molenga, tudo na medida certa.

Andei um pequeno trecho em estrada de terra e, mesmo assim, as suspensões não desapontaram, copiando bem o terreno sem fim de curso ou batidas secas.

Em um segundo trecho de estrada, em velocidades entre 100 e 120 km/h, a posição de pilotagem cansa um pouco devido ao vento. Seu motor chega quase ao limite perto dos 120 km/h, mas, mesmo assim, não perde o fôlego, girando perto dos 8 000 rpm.

Nesta velocidade, sente-se muito a influência de ventos laterais e turbulência ao ultrapassar um veículo. Na minha opinião, a posição de pilotagem influi nesta falta de aerodinâmica, por isso não sei se uma pequena carenagem frontal sobre o farol melhoraria.

Depois de andar por mais de 150 km na faixa dos 100/120 km/h, achei que o consumo cairia bastante, mas tive outra boa surpresa, 31 km/litro! Seu tanque é de 19,2 litros (4,5 reserva) o que proporciona excelente autonomia.

Para não ficar elogiando muito, não gostei dos retrovisores estilo raquete. Eficientes, porém são muito grandes e destoam das linhas da moto. Estranhei um pouco no início o fato de que quando cortamos o acelerador todo ela responde rispidamente, dando um pequeno tranco para frente. Questão de costume.

No painel digital, o relógio poderia ser fixo e não mais uma função. Além do velocímetro, conta-giros e marcador de combustível ele ainda traz hodômetro total e dois parciais (trip1 e trip2), mais hodômetro do combustível (f-trip). Realmente, o que mais me incomodou foi devolver a moto após (somente) uma semana de uso. A moto é excelente, divertida e econômica. Ficou saudade e gostinho de quero mais. No post da próxima semana, o preço para manter a sua Fazer 250 (seguro e peças)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Km total – 2.920

Km parcial – 319,7

Litros – 10,32

R$ 29,92

média – 30,97

quase 100% em estrada..sendo 50% em estradas de baixa 80/90 e 50% em alta acima de 100km/h

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


cinco − 4 =