Triumph Daytona 675R: A nem tão Pequena Notável

7
1560
Triumph Daytona675R

Triumph Daytona675R

Triumph Daytona 675R: A nem tão Pequena Notável

A Triumph, quando lançou este modelo no ano passado, mostrou que está apostando no Brasil, isso se deve a ser uma motocicleta de nicho, ou seja, não é para todos, e sim para um público bem específico, ou seja, trouxe logo sua superesportiva em seu modelo R. A moto é montada no sistema CKD (Complete Knocked Down) em Manaus. Mas vamos as características marcantes do modelo que o tornou famoso, e que foi melhorado nesta versão lançada em 2013.

Segundo a fábrica, as alterações de engenharia do motor tricilíndrico  de 128cv não foram apenas cosméticas, pois características fundamentais para o desempenho foram reformuladas. O curso dos pistões, por exemplo, alterou de 64 x 53,3 para 76 x 49,6 o que aumenta em aproximadamente 500rpm a rotação máxima do motor, e sua taxa de compressão saltou de 12:65:1 para 13:1:1, além de componentes mais leves (virabrequim entre outros), e duplos injetores por cilindro. No total a moto emagreceu 1 quilo, e para a categoria qualquer grama a menos significa muito. Agora temos 184kg de músculos com menos gordurinhas localizadas. O entre-eixos diminuiu em 20 mm. Possui 1.375 mm, com uma inclinação mais acentuada do garfo dianteiro, que passou dos 23,9° para 23°.  Outra alteração na arquitetura e engenharia do bólido foi mover o escapamento para o lado permitindo o reposicionamento do motor e alterando sua geometria e visando melhorar ainda mais sua agilidade.
Triumph Daytona 675R
Na estética as linhas ficaram mais duras e retas com alterações no conjunto óptico dianteiro e traseiro.
Triumph Daytona 675R
A embreagem deste modelo 2013 é deslizante (slip-assist), o que melhora significativamente reduções abruptas de marchas em velocidades e rotações altas evitando que a roda traseira da moto “salte”. O resultado é o aumento de confiança do piloto a entrar em curvas em alta velocidade. A moto fica mais suave, segundo os britânicos deixando o acionamento da alavanca da embreagem 25% mais leve. Ainda no sistema de transmissão, o modelo vem com o “quick-shift”, que permite que o condutor suba as marchas sem puxar a embreagem. A mágica é a modificação do tempo de corte da ignição de acordo com a velocidade e a rotação do motor.

Triumph Daytona 675R
A suspensão dianteira da (Öhlins NIX30), aumentou o curso em 10 mm. Na traseira, a atuação do amortecedor (Öhlins TTX36) foi modificado por causa da alteração do escapamento. Como não poderia ser diferente em uma moto com esta proposta (correr) a nova 675R vem com freios ABS de fábrica, ajustáveis em 3 regulagens: off (desligado), on (ligado) e Circuit. Este último trabalha de uma maneira excepcional. Ele reduz a intervenção do ABS em pista seca permitindo que a roda traseira escorregue levemente na entrada de curvas.

 

Triumph Daytona 675R
[ Foto para comparar: Modelo anterior com escarpamento central ]

Sobre a Besta!

Esta é uma moto de pista, ponto. No ano passado a Triumph levou a imprensa para o circuito Velo Città em São Paulo. O que percebi na época foi que as saídas de curvas e contornos de chicanes são excelentes e a moto chega a ser “forgiving” para não-pilotos como este que vos escreve. Em outras palavras, o motor compensa alguns equívocos em marchas e saídas de curvas. A vida começa após os 7500rpm, é quando os três cilindros rosnam alto e a moto tem o seu desempenho diferenciado. Os pneus Pirelli Diablo Supercorsa SP associados com os discos flutuantes dianteiros de 310 mm, Brembo de quatro pistões, e o disco traseiro de 220 mm, são fantásticos, e tolerantes a erros de frenagem muito “em cima” da curva, mesmo assim fui para a zebra (ufa) algumas vezes.

daytona675R_6

daytona675R_7

O painel tem todas as informações necessária para uma super-esportiva, como contagioso analógico, shift light, marcador de voltas, marcha engatada, temperatura, entre outros.

daytona675R_8

Na cidade, bem, vou repetir: esta é uma moto de pista, ponto de exclamação! Na cidade, é como tirar um tubarão do oceano e colocar no aquário. A moto fica sobrando em todos os lados, não faz curvas fechadas direito, manobras para estacionar são difíceis apesar do ótimo retrovisor em forma de diamante, inclusive que se dobra parecendo uma orelha de coelho o que ajuda nos corredores do percurso…

daytona675R_9

O guidão baixo e pequeno banco para o piloto e garupa também não privilegiam a posição de pilotagem no trânsito denso.

Triumph Daytona 675R

Claro que por estas questões dos parágrafos anterior que não recomendo como primeira moto, e sim uma moto para “track days” e eventos correlatos. Aí sim, ela mostra porquê veio e fica a vontade.

Triumph Daytona 675R

Concorrência

A pequena notável da Triumph com uma configuração pronta para pista, vai encontrar no caminho a Honda CBR 600RR (R$ 50.900,00 com ABS), a Kawasaki Ninja ZX-6R 636 (R$ 52.990,00 com ABS) e Suzuki GSX-R 750 (R$ 49.900,00 sem ABS). Disponível em cor branca no Brasil.

Como conclusão, deixo somente a frase: excelente na pista, um sonho ruim no trânsito.

7 COMENTÁRIOS

  1. comprei uma a 4 meses, só alegria, ja fiz umas 3 viajens ela é top para estradas, e como uso na cidade tbm fui na loja pedi para regularem a suspenção pq ela vem toda regulada para pista, ficou show diminuímos a tensão da mola traseira e fizemos os ajustes nas regulagens que tem na traseira e dianteira, show e o barulho dos 3 cilindros nao tem igual faz os donos de BMW olharem com mais respeito para as DAYTONAS foi a impressao que tive no encontro internacional de Paranaguá agora em agosto de 2014, vi muitas pessoas tamparem os ouvidos e saírem da direção da ponteira do meu escape quem quiser ver ta no you tube https://www.youtube.com/watch?v=03MkLvPIz6c esse e na garagem da minha casa vou postar o outro no encontro de Paranaguá

  2. Acabo de adquirir a Daytona 675R.
    Estou sem palavras pra descrever a moto. É perfeita em todos os sentidos. Talvez o único ponto negativo foi a falta de um controle de tração.
    Antes desta moto tive uma CBR 600RR e digo com toda certeza que a Daytona é muito superior.
    O que pude perceber de melhor logo de cara em relação a RR, é que sua direção é muito mais leve.
    Ela também me deu muito mais confiança pra entrar em curvas em alta velocidade.
    Outro ponto negativo em relação a RR, é que não possui um amortecedor de direção eletrônico como o da RR, mas o que vêm equipada, não deixa muito a desejar.
    O ronco do motor é um assunto particular. Eu simplesmente adorei!
    No mais, recomendo e muito a quem esta na duvida entre a RR e a Daytona.

  3. É uma boa moto, porém acho ela MUITO CARA para uma moto com menos de 700 cc, nesse caso acho que uma KAWASAKI Z 800 ou NINJA 1000 seria uma melhor opção ou até a SUZUKI GSX-R 750.

    • As motos esportivas de 600 e 1000 cc são mais caras que as naked porque os materiais utilizados na fabricação são mais nobres e leves e o pacote de freios e suspensão é bem superior em qualidade e regulagens. Em suma: são motos de uso profissional e valem o que custam.

      • Entendo seu ponto de vista em relacao a material,ser “superbike”,etc.Porem fico mais a vontade com uma DUCATI MONSTER 821,KAWASAKI 1000,SUZUKI 750 ou 1000,MV AGUSTA BRUTALE ou F4 (Mesmo usadas).

  4. A moto é muito boa, tem injeção e entrega de combustível perfeitos, muito boa pra andar em trechos um pouco mais livres, na cidade não é impossível, mas melhor evitar congestionamentos pesados, pois parada ela esquenta bastante. Em velocidades medias de cidade já é boa. (50-60). Claro, na pista ela está em casa.. sem comentários, tudo do melhor, só sobra trocar o escape, para os que gostam, o resto já vem com todas as marcas com as letrinhas que todos gostam..Pirelli Supercorsa, Brembo, Öhlins.. e manutenções bem espaçadas como a maioria das europeias modernas..

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


8 − sete =