Motos elétricas são uma tendência mundial?

3
2698

Elas podem não ser percebidas nas ruas, mas já estão entre nós a mais de um século. Estou falando das motos movidas à eletricidade. A primeira patente que se tem registro de uma motocicleta elétrica data de 1860, antes mesmo da invenção do cinema, da televisão e do rádio. As primeiras unidades começaram a ser vendidas em 1911. Entretanto, enfrentavam uma grande dificuldade para se inserirem no mercado: o armazenamento de energia. Não existiam baterias capazes de dar a autonomia suficiente para que o transporte se tornasse atraente para o consumidor. Em 1967, Karl Kodersch criou a primeira célula de combustível para motos elétricas. Mas foi somente no ano de 2000 que as baterias de lítio começaram a ser desenvolvidas, dando vida a motores elétricos mais potentes (como toda nova tecnologia, a origem teve iniciativa militar).

Atualmente existem dezenas de marcas diferentes no mundo que produzem motos elétricas. A redução de emissão de gases tóxicos no meio ambiente, a rotação silenciosa do motor, o baixo consumo de energia fizeram com que muitas empresas investissem nessa tecnologia, principalmente aquelas alocadas em países com alta densidade demográfica e baixa renda per capita. Esses são exemplos dos dois países que mais consumem o produto: China e Índia.

Mas o mercado europeu e norte-americano não fica para trás. Os Estados Unidos e Alemanha representam uma grande fatia do mercado produtor de motos elétricas. Entretanto, as vendas desses veículos têm ficado aquém das aspirações da indústria em nível mundial. Essa afirmação é da Pike Research, consultora americana de tecnologias limpas. Mas se depender de suas previsões, os próximos anos apresentarão boas-novas para o setor. A expectativa é que somente a China tenha 13,5 milhões de unidades circulando em 2017 (mais do que toda a atual população de São Paulo).

Devido à atual crise internacional, o crescimento no ocidente será menos significativo. A Pike Research prevê um aumento de 41 mil unidades anuais de motos elétricas na América do Norte e 110 mil na Europa. E os principais motivos para isso são: motor silencioso e sem vibração; maior economia de combustível; facilidade e praticidade para o carregamento da bateria (basta ligar na tomada); não polui o meio ambiente.

Principais marcas

No oriente, a China representa o maior mercado. Empresas como a Chaowei Power, Jiangsu Xinri E-Vehicle, Tianneng Power e ZAP já produzem motos elétricas em grande quantidade. As gigantes japonesas, Honda e Yamaha, lançaram seus primeiros protótipos e devem conquistar uma fatia do mercado nos próximos anos. Na Índia, a Agni Motors, é uma empresa que abastece parte do mercado com seus motores elétricos. Eles têm 12 cavalos de potência, 60 volts e 3000 rpm. O diferencial é que podem ser recarregados através de painéis solares.

Os Estados Unidos são conhecidos por suas motos grandes e potentes. Mas aos poucos o mercado das elétricas vai ganhando força. Dezenas de marcas já comercializam o modelo no país. Uma delas é a New Vectrix. Fundada em 1996, ela tem como principal lançamento a VX-1 Li+. O scooter não fica muito atrás das motos de baixa cilindrada do mercado a gasolina. Isso porque ele chega a atingir a velocidade de 110 km/h, tem autonomia de até 136 quilômetros e capacidade da bateria de 5,4 kw/h. O problema é o preço: U$ 14 mil, algo próximo a R$ 25.480.

Para quem procura algo mais barato, a Current Motor Company oferece seu scooter por $9,995 (R$ 18.190). Ela tem velocidade máxima de 88 km/h e autonomia de 80 quilômetros. A bateria – que leva cinco horas para carregar – tem três anos de garantia e a pilotagem do scooter custa ao proprietário em média dois centavos de dólar por milha percorrida (uma milha tem 1,6 quilômetros). O mais interessante é o recurso de conectividade 3G que ela oferece.

A marca Brammo lançou quatro modelos elétricos em 2011. O mais barato para o consumidor custa U$ 8 mil (R$ 14.560). A Enertia alcança velocidade máxima 68 km com seu motor de 13 kw a 4.500 rpm. A bateria demora quatro horas para recarregar e tem vida útil de duas mil recargas. Outra marca americana é a e-Moto LLC. No ano passado ela lançou um line-up com sete modelos de scooters. A top de linha é a G6, que pode alcançar 96 km/h com seu motor de 5 mil watts de potência. A bateria de lítio de 72 volts demora o tempo padrão para recarregar: de quatro a seis horas.

Outra marca que investe em tecnologias de energia limpa é a Xtreme Green. Ela desenvolve diversos tipos de veículos elétricos. A X Rider é um dos lançamentos de duas rodas. Para andar na cidade ela é uma boa opção. Pilotando em média a 56km/h a moto tem autonomia de 160 quilômetros. A bateria de lítio segue o padrão das demais: vida útil de duas mil recargas. O melhor fica por conta da velocidade de carregamento. Em apenas duas horas ligada na tomada já está pronta para pegar a estrada.

Para quem busca velocidade em uma moto elétrica, a Zero S ZF9 da Zero Motorcycles é uma ótima opção. Ela pode alcançar 142 km/h (mais que muita moto brasileira de baixa cilindrada) e tem autonomia máxima de 183 quilômetros. Mas toda essa velocidade tem um preço. A bateria demora 9h para carregar completamente. Caso você for aos Estados Unidos poderá comprar a Zero F ZF9 por U$13.995 (R$ 25.470).

Na Europa, a Alemanha é um país que investe forte no segmento elétrico. A E-Max desenvolve oito modelos de scooters. A 90S não é um veículo para quem quer correr. Ele atinge no máximo 45km/h. Seu diferencial é a capacidade de carga (190 kg) e vida útil da bateria (300 ciclos). A bis Vienna, da iO Scooter, não muda muito. Tem a mesma velocidade final e sua bateria carrega em 3,5 horas.

Agora, para quem não tem paciência de esperar a motoca carregando na tomada, a Freeride E (da marca austríaca KTM) é uma excelente opção. Em apenas 90 minutos está totalmente carregada. Com estilo freestyle, o motor de 30 hp tem força suficiente para carregar os 95 kg de peso. E por falar em peso, a italiana Oxygen é bem robusta. O Cargo Scooter Long Rang pesa 171 kg e suas quatro baterias de 48 volts demoram 6,5 horas para carregar. Rodando a 65 km/h tem autonomia de 120 quilômetros.

No Brasil, o mercado de motos e scooters elétricos ainda engatinha. A Kasinski é a única marca que representa o segmento. A Prima Electra 2000 foi apresentada ao publico no Salão Duas Rodas em outubro de 2009. A promessa era um veículo leve e econômico para pequenos deslocamentos urbanos. Promessa feita, promessa cumprida. Com 2.000 watts de potência, ele pode atingir os 60km/h. Mas a melhor notícia para o usuário é média de consumo. Com R$ 1 é possível rodar 60 quilômetros (preço inicial da linha 2012, R$ 3.990). Em seguida a marca lançou a versão mini, chamada de Prima 500. A autonomia é um pouco menor (40 quilômetros), mas é compensada pelo preço de fábrica: R$ 2.690 na linha deste ano.

Fotos: kasinski.com | Electra 500 (esq) e Prima Electra 2000

O último lançamento (fevereiro de 2012) foi a moto Cub Win Eletrika. O novo modelo tem 1.000 watts de potência (a metade da sua antecessora Prima 2000), baterias de chumbo, rodas raiadas aro 17” e freios a tambor. Mas as novidades param por aí. Quem buscava maior autonomia e velocidade se decepcionou. Ele consegue rodar no máximo 50 quilômetros em uma velocidade máxima de 50 km/h. Indicada para trajetos curtos, o próprio deslocamento dentro de cidades grandes como São Paulo pode ficar comprometido (eu por exemplo percorro 25 quilômetros para chegar da minha casa ao trabalho diariamente. Seria preciso carregá-la pelo menos duas vezes ao dia).


Assim, com poucos modelos disponíveis, o Brasil corre no final da fila no mercado mundial com uma incômoda pedra no sapato. E ao consumidor, só resta aguardar por novos lançamentos que apresentem maior autonomia, fato que empresas europeias, americanas e asiáticas já conseguiram solucionar.

3 COMENTÁRIOS

  1. Apenas para conhecimento dos que procuram por informações reais.

    O Brasil possui matriz energética limpa, com 87% proveniente de usinas hidroelétricas, bem como grande capacidade de geração. Pelas conclusões da usina Itaipú binacional (que está desenvolvendo um carro elétrico em parceria com a Fiat), se 3 milhões de veículos elétricos fossem conectados ao mesmo tempo para recarga isto representaria um acréscimo de somente 3,22% no consumo na usina de Itaipú.

    O problema está no governo brasileiro que não quer abrir mão dos mais de 50% de impostos embutidos no preço do litro da gasolina! A Petrobras dá muito lucro ao governo federal e de alguns estados, sendo assim, carro elétrico no Brasil ainda é utopia.

  2. Bem, eu estava digitando um texto com embasamento técnico aqui, mas este site possui “reload automático” e apagou meu texto quando eu já estava terminando! Não tenho mais tempo pra digitar tudo novamente.
    Senhor webmaster, melhore seu site!

  3. Olá para todos!

    Visualizando o futuro, podemos ver todo comprador de uma moto dessas, chegando em casa e ligando a mesma na tomada. Podemos também ver a conta de energia subindo e a energia elétrica também ficando mais cara e o Governo tendo que fazer mais hidroelétricas. Dá para se concluir que teremos um problema bem grande!

    Grato!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


9 − = um