Moto Honda da Amazônia vai remanejar mais de 200 funcionários

5
1103

Moto HondaFoto: Divulgação

Enquanto a linha de crédito oferecida pelos bancos Caixa Econômica Federal (CEF) e o Banco PanAmericano não surte efeito, a produção de motos no Polo Industrial de Manaus (PIM) passa por quedas sucessivas ao longo dos meses e, para reduzir os custos, a Moto Honda da Amazônia remanejou mais de 200 funcionários do terceiro turno, que vai das 23h05 às 7h05, segundo foi divulgado no jornal “Em Rondônia”.

De acordo com um funcionário, que preferiu não se identificar para o jornal, na manhã desta quarta-feira (24), a equipe do setor de fundição, um dos mais importantes da fábrica com funcionamento 24 horas por dia durante o ano inteiro, foi avisada de que ficaria parada de quarta a domingo.

“Numa reunião de emergência, a diretoria decidiu distribuir os funcionários em outros horários e encerrar o terceiro turno. Nós éramos os únicos que trabalhávamos neste período”, comentou o empregado. “Agora, vamos nos planejar financeiramente, porque vamos ganhar menos, mas só saberemos o resultado final neste domingo”.

O mês de outubro na maior fábrica de motos do PIM deverá fechar com queda de produção de mais de 10 mil unidades. Outro funcionário, do setor de administração, adiantou que, na reunião, ficou decidido também que todos os turnos da Moto Honda vão parar dois dias por mês. “Tem estoque e, nesses dias, a fábrica para”, afirmou. Somente no mês de julho deste ano, a empresa sofreu  uma queda abismal e se reduziu a quase a metade do que vinha sendo praticado.

Conforme o balanço da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (ABRACICLO), as unidades vendidas foram reduzidas das 114.605 em junho para 62.314 em julho. Uma queda de 45,6%, a maior do ano até agora para a marca. E isso levando em consideração que a empresa apresentou sete modelos no período: a Biz 100a nova Broso retorno da Falcon, as atualizações da CBR 1000 RR e da Gold Wing e o lançamento da NC 700 X e da VFR 1200X Cross Tourer (Destes, apenas a Biz 100 e NC 700X já estão disponíveis nas concessionárias e passam a contabilizar por este número de vendas. A CBR 1000 RR e a Gold Wing são importadas e as vendas não são computadas pela Abraciclo. A Falcon passou a computar a partir do fechamento de agosto, a Bros de setembro e a VFR de outubro).

5 COMENTÁRIOS

  1. Está começando melhorar a coisa.

    Para os coitados que enchem a boca pra falar da Honda como se ela fizesse um favor vendendo motos para os mesmos, melhor repensar seus conceitos.

    Se ela tem queda nos lucros o que ela faz?

    Baixa os preços? Baixa as margens?

    Não seus trouxas. Ela manda é todo mundo embora. Porque está pouco preocupada com funcionarios ou a cadeia fornecedora.

    O Brasileiro tem que aprender a fazer o mesmo.

    Uma falcon por 19 mil custando quase o mesmo que um Ford Ka?

    Vá se ferrar e feche as portas de uma vez por todas, comprem motos com melhores custo beneficio.

    Valorizem melhor seu dinheiro, seja Honda, Yamaha, Suzuki, Kawasaki ou quaisquer outras, chega de ser explorado.

  2. E o senador querendo quebrar a dafra! afirmando ser empresa laranja e ilegal! ahhhh, corruptos, não é atoa que temos os políticos mais sujos do planeta!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


4 + = doze