Kawasaki ZX-10R 2011. A esportiva mais potente do mundo chega ao Brasil

16
1573

Chega ao Brasil a Kawasaki ZX-10R. Com 200 cv de potência e recursos como controle de tração e potência custará R$ 59 990.

por Pablo Berardi fotos Motore Produtora

O lançamento da BMW S 1000 RR criou uma nova referência entre as superbikes. Nunca antes, o consumidor havia tido acesso a uma esportiva de 193 cv de potência e tecnologias tão refinadas como o ABS, controle de tração e anti-wheeling que a BMW oferece. Até então, eram tecnologias vistas somente em pistas de competição.

No Salão de Colônia, em 2010, a Kawasaki apresentou a ZX-10R 2011. Um modelo que, com seus 200 cv de potência e muita tecnologia embarcada, não faz questão de esconder que veio bater de frente com a S 1000RR e que quer tirar da alemã o título de “referência” em esportiva.

Além da nova cavalaria e tecnologia, a ZX-10R foi totalmente renovada ganhando um design mais arredondado – apesar de manter algumas formas pontiagudas características da Ninja – lanternas de leds e um painel totalmente reformulado, além das inúmeras inovações mecânicas.

É impossível não começar falando do sistema S-KTRC ou Sport-Kawasaki Traction Control. Esse sistema de tração permite que o piloto selecione três diferentes níveis de atuação do controle. O modo 1 é indicado para andar em circuitos, pois ele considera que a moto está calçada com pneus esportivos e que o asfalto seja bem aderente. Sendo assim, permite maior deslizamento do pneu para um desempenho máximo. No modo 2, temos uma configuração para andar em ruas e estradas e no modo 3, andamos com segurança com pisos de baixa aderência e/ou molhados.

Nesse último modo, evita-se derrapar com a traseira em saídas de curva ou em acelerações sobre pisos escorregadios. Ainda é possível desligar totalmente o controle. Toda essa mudança é feita por meio de um simples toque do botão no punho esquerdo. O controle de tração leva em consideração diversos fatores na hora de atuar. São eles: sensor de rotação, velocidade das rodas, aceleração e marcha engatada.

O controle de potência ou “Power Mode”, permite selecionar três diferentes curvas de potência do motor. No modo F (full), temos a entrega total de potência, feita de uma maneira mais brusca e agressiva. No modo M (middle), a entrega varia de acordo com alguns parâmetros de aceleração e inclinação, mas têm-se em torno de 75% da potência disponível. Indicado para os momentos onde não há pressa e rodamos com alguém na garupa, no modo L (low), o piloto conta com uma curva de potência mais plana e linear, alcançando cerca de 50% da potência máxima.

Fora a tecnologia em prol da segurança, vale destacar que o novo motor também recebeu uma nova caixa de marchas. Do tipo cassete, sua manutenção é mais fácil, a precisão foi melhorada e ainda teve as três últimas marchas reduzidas, em busca de maior desempenho.

Para tornar a ZX-10 ainda mais eficiente, os engenheiros da marca fizeram mudanças significativas no chassi, tornando-o mais leve e rígido. A suspensão dianteira BPF (Big Piston Fork), torna o equilíbrio em frenagem e a ciclística impecáveis. Na suspensão traseira, o novo amortecedor está fixado de forma invertida, isto é, sob um link na balança. Segundo a Kawa, essa solução proporciona maior capacidade de tração e melhores respostas. .

O sistema de freios continua sendo eficiente como sempre com a dupla de discos de 310 mm na dianteira e disco que simples de 220 mm na traseira. Uma pena que, mesmo com tanta tecnologia, um simples ABS ainda não esteja disponível na ZX-10 importada para o Brasil.

Durante a apresentação feita na pista do ECPA, em Piracicaba, São Paulo, pudemos sentir o modelo por poucas voltas (quatro para ser exato). Sendo assim, me senti andando de Ferrari em um kartódromo e seria imparcial da minha parte transmitir sensações, pois mal passei da segunda marcha. Pude notar que a moto é bem ágil e gostei do feeling da ciclística no ondulado piso. Também gostei da ergonomia, apesar dos meus 1,80 m. Quanto ao motor, ficou difícil sentir, mas gostei da suavidade e a maneira como a potência é entregue.

Infelizmente, não consegui andar mais e não consegui transmitir mais sensações no vídeo, pois o pessoal da pista precisou recolher a moto quando iria fazer mais comentários sobre ela.

A Kawasaki afirma que esse modelo deverá ser fabricado em Manaus até o fim deste ano, inclusive com freios ABS. De qualquer maneira, o preço da versão importada será o mesmo,
R$ 59 990. Sem dúvida, uma moto a ser considerada pela presença da subsidiária da marca no Brasil e pela alta tecnologia presente nesse produto.

FICHA TÉCNICA
NINJA ZX-10R (MODELO 2011)

Motor: Tetracilíndrico em linha, DOHC, 16 válvulas, arrefecimento líquido e injeção eletrônica
Cilindrada: 998 cm³
Diâmetro x curso: 76.0 x 55.0 mm
Taxa de compressão: 13.0:1
Potência máxima: 200 cv a 13,000 rpm
Potência máxima com RAM air: 209,9 cv a 13,000 rpm
Torque máximo: 11.4kgf•m a 11,500 rpm
Câmbio: Seis velocidades
Sistema de acionamento: Corrente de transmissão
Relação de redução primária: 1.681 (79/47)
Relação 1ª marcha: 2.600 (39/15)
Relação 2ª marcha: 2.053 (39/19)
Relação 3ª marcha: 1.737 (33/19)
Relação 4ª marcha: 1.571 (33/21)
Relação 5ª marcha: 1.444 (26/18)
Relação de redução final: 2.294 (39/17)
Chassi: Dupla viga de alumínio
Cáster / Trail: 25°/ 107 mm
Suspensão dianteira: Invertida, barras de 43 mm com compressão ajustável e 120 mm de curso
Suspensão traseira: Amortecedor traseiro horizontal e 140 mm de curso
Pneu dianteiro: 120/70ZR17M/C (58W)
Pneu traseiro: 190/55ZR17M/C (75W)
Freio dianteiro: Discos duplos semi-flutuantes em forma de pétala de 310 mm
Freio traseiro: Disco de 220 mm em forma de pétala
Ângulo de direção: 27° / 27°
Dimensões C x L x A: 2.075 x 715 x 1.115 mm
Distância do solo: 135 mm
Distância entre eixos: 1,425 mm
Altura do assento: 813 mm
Capacidade do tanque: 17 litros
Peso em ordem de marcha: 198 kg / 201 kg (ABS)

16 COMENTÁRIOS

  1. Engraçado de ver como em 2011, existia tantas especulações deste canhão que se chama ZX10-R, hoje passa a ser sonho de consumo de muitos Pilotos, realmente uma moto muito forte com tecnologia necessária para uso misto e um preço muito proximo das desatualizadas Fireblade, isso é culpa desse Brasilsão que fabrica de acordo com o consumo ou seja, motos mais populares e baratas!

  2. 200 HP NÃO SEI NÃO? A HONDA CBR 1000 RR FIREBLADE TEM DESIGN E AS PARTES DA MOTO APARENTA TER MAIS RESISTÊNCIA.

    COMPRAR UMA KAWASAKI É BOM, NÃO SEI SE É VENDER PARA DEPOIS?

  3. tenho uma kawa, e sei que por melhor que seja , nunca vão dizer que é melhor que bmw
    é o peso da marca, e não os resultados é que valem….

  4. Realmente já vi CBR1000RR dar surra em ZX10, Srad, R1…isto, por causa do piolho tocando forte.
    Do contrário; moto x moto e piolho x piolho, só da ZX10, Srad, R1…

  5. Posso até aceitar esta briga de peso ZX10 x BMW1000RR, mas levar “surra” de CBR1000RR,nem pensar,a CBR já toma “Pau” de YZF-R1,sugiro não arriscar,
    vai ser feio.

  6. 201 cv só no papo. A moto pode até tentar ter isso mas na roda traseira chegam 160cv. Na BMW dos 193cv, 180 aparecem no dinamômetro. Falar é facil…. Acontece que a BMW continua imbátivel e essa Kawasaki ZX10 2011 vai levar surra até de uma CBR1000RR2008.

    • Deculpe, mas nego vem querer comparar HONDA com outras motos? Honda é igual a: Projetos velhos, motos mais fracas de suas categorias, etc. Desculpe, mas CBR1000 x ZX-10r? NEM EM SONHO. Fala “Hornet” sem cuspir, você não consegue, Honda fanboy.

  7. o consumidor brasileiro deveria se dar mais respeito não adquirindo este modelo sem abs, quem sabe assim essas empresas realmente respeitem nosso mercado,já pagamos uma carga tributária absurda embutida nestes produtos , sem falar no seguro que parece cada vez mais obrigatório.
    A reportagem está muito bem feita, parabéns a equipe e ao repórter e piloto, desculpem o desabafo mas é triste como ainda somos tratados desta forma .

  8. Espero que sim.

    Seria uma bola fora da Kawa,já quer bater de frente com a S1000 que disponha tudo que é recurso,mesmo que seja opcional.

    Você caro editor que tem contato próximo com eles poderia nos manter informado a respeito destq questão.

    Abraços e boas matérias;e feliz páscoa!

  9. Quando chega o modelo com ABS? Triste vai ser quem comprar essas primeiras unidades capadas (sem ABS) e depois e algum tempo ver as com ABS chegando. Serviço porco da Kawasaki do Brasil.

    • Carol leitor, de acordo com a Kawasaki, a ZX-10R com ABS devem estar à venda no segundo semestre deste ano.

      Um abraço,
      Gabriel Berardi – Editor Best Riders

  10. Os vídeos que vocês fazem são sensacionais, nem em canal a cabo temos isso. Parabéns à equipe BestRiders.

    Sobre a moto, apesar do alto nível, a falta do abs é muito sensível. Algo ja consolidado em motos desse segmento e que faz falta quando retirado. De resto, é um motão!

  11. Pelo que sei, estas motos nem em sonhos estarão
    sendo vendidas no nosso mercado.
    “CHEGOU O NOSSO TEMPO”
    Como é bom deixar de ser o Brasil do amanhã…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


− um = 2