Kawasaki ER-6n: Canarinho com desempenho de Falcão!

7
1383
Kawasaki

Começo com uma pergunta agradável que recebi da redação: “Temos uma Kawasaki ER 6n, quer testar?”. Imaginem a minha resposta… acho que nem preciso falar! Ao sentar no confortável banco, segurar o guidão em posição agradável, encaixar as pernas no tanque anatômico e acelerar os 72,1 cv do bicilíndrico em paralelo com 649 cm³ que apresenta um torque de 6,5 kgf.m a 7.000 rpm, começam as boas surpresas.

Kawasaki
Texto: J. Dionysio
Fotos: J. Dionysio e Divulgação

As surpresas ao primeiro olhar colocado na amarelinha: cadê o escape? Muito bem disfarçado embaixo do motor com a proteção do cárter escondendo a maior parte. O som em marcha lenta identifica bem os dois cilindros. Rodando os primeiros quilômetros, em baixa rotação, ouve-se um discreto assobio, o que me levou a associar com um Canarinho, mas com disposição de Falcão, porque em alta rotação só o que se ouve é um ronco estridente e harmônico de quem é fera.

Kawasaki

Já nos primeiros quilômetros rodados com essa Kawasaki, surge a certeza, esta moto engana muito: pequena na aparência (2.110 mm de comprimento,  770 mm de largura, 1.110 mm na altura, 130 mm do solo e 805 mm altura do banco ao solo), mas apresenta um desempenho de gente grande.

Kawasaki

As “garras” deste canário, que está mais para ave de rapina: 120/70ZR17M/C (58W) na dianteira e 160/60ZR17M/C (69W) na traseira.

Kawasaki

Notei o conjunto que empurra essa despudorada altamente eficiente, câmbio de 6 velocidades,  transmissão por corrente. E, para segurar esta fera  da Kawasaki de 206 kg (versão com ABS), freios com disco duplo de 300 mm em forma de margarida na dianteira, pinça com pistão duplo, e disco simples de 220 mm em forma de margarida, pinça com pistão simples na traseira. A Kawasaki ER-6n testada pelo Best Riders estava equipada com ABS, eficientíssimo.

Kawasaki

A suspensão dessa Kawasaki é nota 10, com garfo telescópico de 41 mm na frente e monoamortecedor com pré-carga da mola ajustável na traseira deslocado levemente para a lateral, proporcionado uma tocada muito confortável em qualquer situação.

Kawasaki

Rodar com esse Canarinho da Kawasaki na cidade é realmente uma delícia. Muito ágil e eficiente entre os carros, disposta a acelerar ou reduzir sem reclamar, desvia-se facilmente de qualquer obstáculo, pula para frente ou reduz surpreendentemente. Sem dúvida, esta criação é para a cidade. Ir para o trabalho apressado ou passear tranquilamente, são as principais características.

Kawasaki

Bem, e quem disse que na estrada ela é ruim? De forma alguma! A eficiência é inegável. Claro, é uma Naked, e a única “carenagem” é uma pequena proteção à frente do conta-giros, o que nos faz receber de frente todo o vento, mas ninguém precisa se preocupar, pois a Kawasaki dispõe uma irmã gêmea carenada. Com toda a mecânica e ciclística de sua irmã “pelada”. Destaco que não provamos esta beleza, e mesmo “vestida” continua sedutora e elegante como a irmã despojada.

Kawasaki

São Paulo é uma cidade complicada em termos de velocidade máxima nas ruas em que circulamos, portanto o velocímetro é item indispensável para a carteira de qualquer motorista. O painel de instrumentos traz em destaque na parte central do guidão, em sua parte superior, um belíssimo conta-giros analógico, iluminado por LED.

Kawasaki

Nele também vemos a luz indicadora de injeção. Abaixo, o display digital com luz de fundo azul: velocímetro, hodômetro total e parcial, relógio, computador de bordo e função que mostra consumo instantâneo e médio, indicador de pilotagem econômica, trip-fuel (estimativa de distância a percorrer com combustível na reserva) e marcador de combustível. Este layout premia a visualização do conta-giros, mas faz curvar levemente a cabeça para conferir o velocímetro, item fundamental.

Kawasaki

A pilotagem na estrada com a Kawasaki ER-6n foi muito agradável e tranquila, com um tanque de 16 litros oferece uma autonomia muito boa, de mais de 300 km, apresentando um consumo médio de 20,4 km/l, e para quem está iniciando, até mesmo para os mais experientes, acelerar 72 cv deste conjunto tão harmônico, é claro, vai fazer qualquer marmanjo curtir muito. Com valores sugeridos (sem frete) em R$ 28.800,00, com ABS, e R$ 25.990,00, sem ABS, nas cores preta, verde e amarelo. Já a sua irmã Ninja pode ser vestida de preto e verde.

Kawasaki

7 COMENTÁRIOS

  1. A verde militar eh demais mesmo. Aguardamos o modelo novo nessa cor! Realmente nao consigo entender pq nao vende mais. Alexandre, apesar de eu ser fanatico por esta moto achei que tem gente mais fan que eu hein. (emocao acima da razao?)

  2. Otima moto tenho uma 2010, a 2013 então ficou demais, só não vende mais pela Kawa não ter mais CC e pelo preconceito dos brasileiros com motor de 2 cilindros que pra mim não deve em nda pra algumas 4 cilindros como a XJ6 e a Bandit 650!

  3. Belas palavras, como era de se esperar, também não achei nenhum defeito, muito pelo contrário, só elogios…Só perdeu um pouco do charme sem a lanterna embutida na carenagem, mas adotada pela sua irmã. Parabéns galera.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


× nove = 18