Isle of Man TT / Dia #1 – Passageiros nada Ordinários

0
708
ilha de man

GB13-1-16B4

Notas do dia:

Alguém morreu, a vida segue. Isso é conhecido por todos, afinal todos morreremos. Nada de drama, nada de aumentar o tamanho de algo que somente é realmente grande para os amigos e parentes. Um piloto morreu no treino de segunda-feira, seis dias atrás. Yoshinari Matsushita se tornou a 240 vida perdida na Ilha durante as corridas do TT.  Seu corpo foi estilhaçado, e espalhado pela pista. E a vida continua. E apesar da morte do piloto japonês, nada de climão, caras fechadas ou cancelamento de alguma coisa! Ontem tivemos tranquilamente o primeiro dia de prova. Somente chuva e guerras mundiais tiveram o poder de suspender corridas do evento, morte faz parte da vida.
A boa notícia foi que nosso piloto brasileiro Rafael Paschoalin, número 81 (Foto), fez um excelente dia de treino e conseguiu sua classificação. Isso não é pouca coisa, estamos no evento mais radical de Road Races que se pode presenciar. Faca nos dentes porque o inesperado fica ao lado. Nestes dias de convivência próxima com o Rafael na ilha, percebi que além de conhecer o equipamento, é um profissional de primeira, com excelente comunicação com a equipe, o que é fundamental para que tudo seja acertado rapidamente.

Isle of Man / Dia #1 – Passageiros nada Ordinários

Dia #1:

Feita minha referência a morte, vamos falar de como foi o dia de ontem, segunda – o primeiro “real thing”, ou seja a primeira corrida oficial, mas antes deixe-me

Screen Shot 2013-06-02 at 09.37.35contextualizar um pouco, vamos falar sobre uma maravilha científica, algo que sozinho para em pé diferentemente de motos, mas que tem um outro desafio maior, precisa de duas pessoas para fazer curvas. O nome do treco é Side Car de competição. Esqueça tudo o que você sabe sobre Sidecars urbanos, isso aqui é o mais próximo da insanidade que um ser humano pode pensar de transportes terrestres que rodam acima dos 180km/h. Na frente a direita vai o piloto que acelera, freia e “ajuda” na direção do treco. Logo atrás dele vai seu parceiro, muitas vezes parceira, pendurado no espaço que lhe é conferido(a) fazendo o contrapeso dependendo de onde deve-se seguir, em alguns momentos o passageiro (nada ordinário) fica com 60% do corpo para fora do “moto-carro”. Tudo muito rápido, tudo muito próximo do solo. Para quem quer se aprofundar nesta modalidade, recomendo o Filme “No Ordinary Passenger”, um curta metragem inglês sobre toda este esporte extra-radical.

Para trazer para vocês estas imagens, fiquei em uma das descidas do trecho de cidade, onde os pilotos passam acima dos 190km/h.:

IOMTT 2013 – 1o. Dia – Sidecars from Roberto Severo

Apesar de nada familiar para os brasileiros, segue o resultados da prova:

Screen Shot 2013-06-02 at 09.07.35

[ Para quem ainda não leu os outros textos, seguem os links para o Dia #2Dia #3, Dia #4, Dia #5]

Foi isso, amanhã tem mais!

Keep riding!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


× 7 = trinta cinco