Brazzzil e Ilha de Man TT – 2013 é passado, 2014…?

5
1657

ilha de man

E no princípio era tudo água… vamos pular a parte dos protozoários, amebas e afins, e ir direto para a criação do Homem…. e da motocicleta… e anos mais tarde nos idos de 1907, a criação do Tourism Trophy da Ilha de Man. Mais de cem anos desta última marca no tempo, um brasileiro foi para a secular pista da ilha que fica entre a Irlanda e a Inglaterra participar das mais famosas, perigosas e desafiadoras corridas de estrada (Road Races) do mundo. Rafael Paschoalin, esteve na Ilha, e só não conseguiu maior feito porque não dava para tirar mais água de pedra, e olha que saiu muito suco! E é por isso que escrevo hoje, ainda em Dublin, recém chegado da Ilha e suas carreiras. E vou relatar o que eu vi e presenciei, não o que ouvi. Sem diz-que-diz-que. Dividirei entre o suporte dos patrocinadores, e a organização da equipe. E que os bulldogs sejam soltos, porque quem tem medo de cachorro é gato, e na Ilha de Man nem rabo tem.

ilha de man

Brazzzil e Ilha de Man TT – 2013 é passado, 2014…?

Patrocinadores:

Começo do final, aqui é papo reto! Nenhuma marca de moto investiu seriamente no Rafael. Estão errados? Talvez não neste primeiro TT, mas o que me interessa é 2014. O que vi durante os dias de corrida foi uma grande vontade de correr, talento, e a Associação sem fins lucrativos “Paschoalin, Friends, Family and Bros.“, e muito pouco além disso quanto a incentivo e patrocínio. Não conheço cifras de perto, mas nem a moto foi fornecida pela Ducati. NEM MOTO! A Ducati fabrica o que? Onde? Na Europa tem fábrica dos caras? Tem! Ok, ok… voltamos ao primeiro ponto… Em 2013: “show me the value and I show you the money!” E 2014?????

ilha de man

Dona Ducati, ou qualquer outra marca que se interessar por esta informação, a exposição que o Rafael Paschoalin trouxe e trará em 2014 para os senhores, seja em revistas especializadas, sites, televisão (SporTV estava lá pertinho e produzindo um enorme material), será ENORME. muito mais do que o dinheiro investido nele poderia sonhar. Tenho vergonha de escrever isso, e mesmo assim a Ducati foi a que mais fez…. a equipe da moto 81 teve que comprar uma Panigale usada em Portugal, reformar, participar, morar na Ilha, manter mecânico, e ainda contar com a família e amigos suportando, colaborando de graça. Será que o valor que foi dado pela Ducati pagou uma fração da moto usada? Duvido! “O Pote” que o Rafa criou para angariar fundos para sua viagem deve ter arrecadado 5 vezes mais (R$ 66.000,00). Há montadoras que nem sabem o que significa “TT” da Isle of Man. Nunca ouviu falar! RIDÍCULO! ACORDEM MONTADORAS!

81_05

Só para se ter uma idéia, um dos problemas que a moto do Rafael apresentou foi um back fire no momento da largada para o treino de Terça-feira, ou seja a faísca na vela estava acontecendo enquanto a válvula de admissão ainda estava aberta, ou seja, fora do ponto. Resultado: principio de incêndio no grid, rapidamente contido, porém tirou a moto do treino. Sabe qual foi um dos supostos problemas relatados pela montadora italiana? Não pode lavar o motor da moto, o que é difícil de acreditar, mas foi isso… Como disse, não sou tecnicamente competente suficiente para julgar, logo fácil de enrolar, mas e se chover? A de se relevar que não é uma Panigale normal, é toda “mexida”, mas… se houvesse um engenheiro da Ducati por perto, isso teria sido evitado ou este risco seria mitigado?

Nesta coluna expresso a minha opinião, e realmente acredito que a equipe da Bikers Magazine, moto 81, deva procurar uma marca que valorize não somente o seu potencial para o próximo TT, mas que saiba fazer conta e unir pontos. Sim, pode ser até a Ducati. Vale dizer que a 81 do Paschoalin era o único exemplar da marca italiana no correndo na Ilha de Man. Sim, também me pergunto o porquê!

E olha que o rafael tirou leite de pedra fazendo uma média de 113 mph na primeira volta da última corrida, saindo parado, e passou a 165mph na frente do Grandstand, sendo que o McGuiness, vencedor da prova passou a 175mph.

81_06

Equipe

Quanto a equipe, boa parte dos problemas devem ser resolvidos com um bom patrocínio, e acredito que deva primar por uma boa comunicação com a imprensa, este ano foi um pouco confusa, e vender mais a marca Rafael Paschoalin, sem vender a alma para o capeta. Tesão de acelerar é legal, mas não paga contas. E não dá para acelerar de dia e trabalhar de guarda noturno a noite. É business também, sim senhor!

ilha de man

Como disse, a questão para mim, não é 2013, talvez eu tivesse pensado e agido da mesma forma que um executivo da marca italiana o fez, mas e agora? 2014? Será da mesma forma? Além dos italiano,  japoneses e ingleses também sabem construir bólidos de duas rodas!

Keep riding!

5 COMENTÁRIOS

  1. Roberto Severo, back fire não ocorre porque o motor vira ao contrário e sim por mistura rica com um avanço de ponto onde a válvula de admissão se encontra ligeiramente aberta.

  2. Direto ao ponto,

    Precisava ler isso para ter certeza de que não era só eu que pensasse desta forma. Foi fantástico tudo o que aconteceu, eu por exemplo, nunca tinha “assistido” ao vivo um TT, não consegui acessar nada de transmissão ao vivo e me contentei com o live da pagina oficial do evento, via rádio. Mas posso dizer que a adrenalina foi a mesma.
    O que presenciei foi um cara sensacional, com uma vontade enorme de fazer o seu melhor, de levar nossa bandeira num lugar jamais imaginado no esporte, mas que por alguns inconvenientes que fogem ao alcance, não atingiu sua máxima satisfação;
    Nós ficamos muito felizes, mesmo com todo o acontecido (pane, principio de incêndio, quebra de corrente) Foi demais!
    Mas é muito importante as montadoras, patrocinadores, darem o devido valor nisso para 2014. Temos potencial, isso o Rafa provou, agora falta estrutura total.
    Vamos pra cima!!!

  3. Parabéns pelo texto muito bem elaborado, acompanho sempre o site. Foi uma pena Rafael não ter conseguido nem sequer largar, mas espero que ano que vem ele tenha mais patrocínio e continue com a mesma, senão mais força de vontade. Se eu tivesse condições de ajudá-lo, com certeza eu faria sem pensar duas vezes, mas só mesmo através do http://www.vakinha.com.br é que posso colaborar com o sonho dele de correr, e o meu, de ver um brasileiro campeão na Ilha de Man.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


oito − 6 =