Honda lança CBR 250 R e CRF 150 F

16
2212

Fotos: assessoria de imprensa Honda

Duas novidades da Honda chegam ao mercado nesta sexta-feira (20). O superintendente do departamento de relações públicas da marca, Alfredo Guedes, revela que a super esportiva CBR 250 R e a Off-Road CRF 150 F já estão disponíveis para o consumidor na maioria das concessionárias do Brasil.

A apresentação oficial das duas motos foi realizada na última quarta-feira (18), no Centro Educacional de Trânsito Honda, localizado em Indaiatuba (SP). A CBR 250 R terá como diferencial o motor DOHC com balancins roletados, único modelo produzido no mundo, conforme o superintendente. Outra característica do modelo são os freios Combined-ABS, que travam gradativamente as duas rodas quando acionado o freio traseiro. Inspirada na CBR 1000 RR, a CBR 250 R apresenta um design moderno, com centro de gravidade baixa, além de ser econômica e ter boa performance e maneabilidade tanto na estrada quanto na cidade.

E por falar em viagens, o motor de 250 cm³, monocilíndrico, apresenta bom torque nas primeiras marchas e baixo nível de vibração. Entretanto, perde um pouco de rendimento quando a moto está em velocidades mais elevadas.

“A CBR 250 R foi desenvolvida para quem quer entrar no mundo da esportividade com segurança”, explica Guedes.

A super esportiva pesa 150 kg em peso a seco e tem pneu traseiro mais largo que o da maioria das concorrentes da categoria: 140 mm, aro 17’. E apesar de começar a ser vendida no Brasil, a moto foi projetada no Japão e fabricada na Tailândia e na Índia. O modelo brasileiro teve algumas modificações, como a adaptação dos sensores de temperatura e aumento dos fluídos de freio e óleo nas bengalas.

“Se houver grande demanda, a moto poderá ser produzida no Brasil”, comenta Guedes.

O superintendente explica que a CBR 250 R deverá assumir uma parcela carente do mercado, principalmente de usuários que já tiveram uma motocicleta e querem uma nova com estilo e preço em conta. A moto aposta num público predominantemente masculino, de 25 a 35 anos e com renda de seis a oito salários mínimos.

Para os interessados, a Honda disponibiliza duas versões: a Standard, por R$ 15.490,00, e a C-ABS, por R$ 17.990,00. As principais concorrentes da CBR 250 R são a Dafra Roadwin (R$ 12.490,00), a Kawasaki Ninja 250 (R$ 15.550,00) e Kasinski Comet GT 250 R (R$ 14.990,00). Será que a CBR está mais em conta mesmo?

 

O segundo lançamento da Honda foi a Off-Road CRF 150 F. A moto foi projetada para um público jovem de 15 a 18 anos, que pretende ingressar no mundo das competições. Conforme Guedes, ela apresenta alta qualidade e durabilidade.

A moto é um pouco menor que sua irmã mais velha, a CRF 230 F. Ela tem aro 19’ na roda da frente e 16’ na traseira. A base do motor é a mesma da Bros, tem chassi berço semi-duplo, suspensão dianteira de 231.14 mm e traseira de 226 mm, 14 cv de potência, 101 kg de peso a seco e capacidade do tanque para 7,2 litros.

A CRF 150 L chega ao mercado pelo valor de R$ 8.690. A estimativa da Honda é que sejam comercializados até o final deste ano 1,5 mil unidades.


16 COMENTÁRIOS

  1. ta muito barata essa moto cara serio mesmo nossa muito barata to achando que vou comprar uma quando chegar aqui em catalão nossa linda demaissssssss,show de bola, imagina quantas noites de sono esses engenheiros não perderam de sono para fazer essa moto linda, e pensando nesses profissionais que vou comprar a minha serio mesmo se não estão acreditando então não acreditem.

    hahahahahahahahaaha

  2. Uma pergunta a Honda:

    Vou quitar minha cb300 esse ano e queria trocar pegar uma zero, o q faço? compro essa 250????

    Ah va!!!!! 15 conto!!!! Se liga honda…..250 super esportiva….ahahahhahaha

  3. A Honda demorou pra trazer essa moto, mas vai ser líder devido a asa pintada no tanque(brasileiro compra moto pensando em vender então a asa pesa na escolha)…fato!
    Acho q com a concorrência a Kawasaki vai finalmente atualizar de verdade o ridículo painel da ninja 250r(o da z750 cabe ali sem grandes modificações) e oferecer o ABS como opcional tb não seria má ideia.
    Enfim, talvez no próximo ano eu pegue outra moto, até lá, quero ver se chega a NC700X ou NC700S(me interessaram muito pelo cambio automatizado e porta capacete sob o falso tanque), se não vierem, vou olhar com carinho as esportivas de 250cc.

  4. Não podia ser diferente com a honda. Oferecendo menos…Por MAIS!
    A motinho deve ser boa, tem o apelo da segurança, da fácil manutenção e tals, mas para se tornar competitiva deveria oferecer PREÇO.
    Só me faz continuar afirmando como Ninja e Comet gtr são as melhores do segmento. Se Deus quiser pego a minha GTR esse ano.

  5. Tbm penso assim Mauro…. por esse valor se pega uma ninjinha que anda mais q a cbr =D mas o consumidor brasileiro ainda é mt “Honda é que é moto”. Tenho atualmente uma Ninjinha.
    Esse segundo lançamento, o da crf, é o que mais me interesso (estou a procura de uma moto dedicada 100% a terra, para algumas diversões aos finais de semana) só que considerei o valor alto, ela ta saindo por quase 9mil, se colocar mais uns 2mil se pega uma crf 230. Mas mesmo assim, vou considerar ela na hora da compra de uma moto 100% off (para iniciantes =D).

    • Em relação a CRF 150, compra a minha Bros 150 de trilha é o que há…já vem com relação e tudo. Na boa, tenho uma Bros 150 07, preparadinha pra trilha…relação custo x benefício é show, sou muito mais minha moto, mais barata e mesma coisa, é só preparar cabeçote e mais algumas coisinhas. E essa dianteira aro 19 é ruim pra buraco na trilha, experiência própria.

  6. pela ficha tecnica mostra que a moto é boa tem muita tecnologia ,mas o problema ea honda estar mal acostumada com os fanaticos ,basta olhar o preço ,tudo dela tem preço a peso de ouro no brasil eo pior mais cara que a ninja 250 bicilindrica ,na boa ainda tem trouxa que compra menos pagando mais!

  7. Amigos,
    Eu pergunto, se você pode ter uma moto com mais 10 cv, dois cilindros que tem uma ciclística exelente vai comprar esta moto por que ?
    Cara vai de Kawa dá um banho nesta moto ! Só por ser Honda custa 15 mil um cilindro, 10 cv a menos que fazem muita diferença, gente acorda por favor !
    Eu tive uma Ninjinha posso dizer,que foram bons momentos, atualmente com uma Z 750.

    • Cara, a velocidade final não é o só que importa. Não se trata de moto para andar somente na pista, e mesmo que fosse, nem sempre dois cilindros são melhores do que um (num circuito travado, onde torque é muito importante tenho as minhas dúvidas). Além disso, olha o painel dessa moto, por exemplo, e compara com o da Ninja. Vamos esperar os testes para ver se a moto compensa ou não.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


oito − = 5