Honda CG 160: conheça o novo motor

As mais vistas, house, Notícias

Honda CG 160: Sem nenhuma peça em comum com o antigo motor de 150cc, propulsor oferece melhor desempenho e promete menor custo de manutenção.

cg motos Honda CG 160: conheça o novo motor

CG 160 Fan e CG 160 Titan

TEXTO: Aldo Tizzani / Agência INFOMOTO
FOTOS: Divulgação

temos fireblade Honda CG 160: conheça o novo motor

Honda CG 160: conheça o novo motor

De cara, uma coisa precisa ficar clara: nenhuma peça do motor de 150 cc da Honda é compatível com o novo propulsor de 160 cc que passa a equipar os modelos da nova linha CG 2016. Ou seja, trata-se de um motor completamente novo. O desafio da marca japonesa foi encontrar uma fórmula que equalizasse eficiência na combustão, economia de combustível e baixa emissão de poluentes. Agora com 162,7 cm³ capacidade cúbica, o monocilíndrico do veículo mais vendido do país evoluiu em termos mecânicos, mas também no quesito desempenho, já que oferece maior potência e torque.

motor honda baixa emissao Honda CG 160: conheça o novo motor

O novo motor da CG ganhou mais poência, torque e baixa emissão de poluentes

O novo propulsor FlexOne (bicombustível) foi projetado para atender a segunda fase do Promot 4, que entra em vigor a partir 1º de janeiro de 2016. Entre as novidades está a utilização de mais um balanceiro para diminuir a vibração e a fixação do eixo primário nas tampas laterais, calçados em rolamentos.

Seguindo a receita de sucesso, o motor da CG 2016 manteve a mesma arquitetura: monocilíndrico com comando simples no cabeçote (OHC), quatro tempos, arrefecido a ar, com injeção eletrônica. Entretanto, a marca trouxe algumas inovações em sua construção que prometem facilitar, e baratear, a manutenção. Conheça os detalhes do novo motor de 160cc da Honda.

cg filtro ar Honda CG 160: conheça o novo motor

O filtro de ar da CG 160 fica do lado direito da motocicleta

Motor Honda CG 160 – Construção

Em comparação com a 150 cc, o cabeçote do motor da 160 cc é totalmente diferente, pois é feito em peça única (o cabeçote da 150 cc era fabricado em duas partes). Com isso, o motor teve uma pequena redução de peso. Além de valer a máxima: quanto menos peças móveis, menos chance de dar problemas.

Outra grande diferença está no pistão. Com saia mais curta e biela de curso mais longo, o conjunto tem menos áreas de atrito. Consequentemente, menos atrito, menos calor; menos calor, mais eficiência energética. Resultado: maior torque e potência em seu funcionamento.

O novo motor utiliza também um rolamento de agulha no eixo do balancim, onde antes existia um rolamento de esfera. De acordo com a Honda, a nova peça tem desgaste menor e exige menos manutenção.

Na 150 cc havia apenas uma mola para o retorno das válvulas. Já no comando simples da nova 160 cc há duas molas – uma interna. O objetivo é simples: que o retorno da mola seja mais rápido evitando, assim, a flutuação das válvulas.
Manutenção e troca de óleo a cada 6 mil Km.

cg sem carenagem Honda CG 160: conheça o novo motor

Agora, com o motor de 160cc, as trocas de óleo passaram a ser a cada 6 mil km

“Para facilitar a manutenção do novo motor de 160cc, não é mais necessário desmontar o cabeçote para retirar o comando de válvulas: o acesso é feito por uma tampa lateral, tornando o trabalho na oficina mais rápido e simples”, explica Eduardo Lima, instrutor técnico do Centro de Treinamento da Honda em Recife (PE), garantindo que essa mudança deve agilizar as revisões e simplificar os possíveis reparos no motor. A modificação possibilitou também que a altura do motor diminuísse, formando um sistema mais compacto, apesar do aumento de sua capacidade cúbica.

motor honda cg Honda CG 160: conheça o novo motor

No novo motor de Honda CG 160 não é mais necessário desmontar o cabeçote para tirar o comando

Outra novidade é a localização da vareta de medição de óleo, antes ao lado da tampa de embreagem. Seu posicionamento agora está mais a frente, facilitando o manuseio para a verificação periódica dos níveis do fluido.

Outra boa notícia é que o motor de 160 cc está com um período de manutenção mais espaçado e exige troca de óleo a cada 6.000 km. O antigo de 150 cc pedia troca a cada 4.000 km. Na prática, isso reflete no seu bolso: menor custo de manutenção para o consumidor. Mas também é mais sustentável: afinal é menos óleo para ser descartado no meio ambiente.

Motor Honda CG 160 - Desempenho

Além de todo esse papo técnico, a grande novidade do novo motor é mesmo seu desempenho superior. Agora são 14,9 cv a 8.000 rpm se abastecido com gasolina, e 15,1 cv a 8.000 rpm com etanol – anteriormente o monocilíndrico de 150cc oferecia 14,2 e 14,3 cv, respectivamente, a 8.500 rpm. O torque máximo é de 1,40 kgf.m a 6.000 rpm e 1,54 kgf.m a 6.000 rpm (com gasolina e etanol) – ante os anteriores de 1,32 e 1,45 kgf.m também a 500 giros acima.

cg potencia gasolina Honda CG 160: conheça o novo motor

Abastecido com gasolina, a nova versão da street da Honda gera potência de 14,9 cv a 8.000

cg etanol Honda CG 160: conheça o novo motor

Com etanol, o motor da Honda CG 160 produz potência máxima de15,1 cv a 8.000 rpm

Apesar do melhor desempenho e capacidade, o consumo de combustível foi otimizado, afinal torque e potência vêm mais cedo, a 500 giros antes. Testes iniciais revelaram que o novo propulsor, mesmo de maior capacidade e mais potente, se mostrou cerca de 8% mais econômico em comparação à versão anterior, dando mais autonomia ao modelo e sem a necessidade de paradas extras para o abastecimento em viagens mais longas. “Isso acontece porque o motociclista acelera menos para ter o mesmo desempenho”, explica Alfredo Guedes Jr, engenheiro da marca nipônica.

Compare o desempenho CG 150 X CG 160

CG 150
Potência: 14,2 cv a 8.500 rpm (gasolina)/14,3 cv a 8.500 rpm (etanol)
Torque: 1,32 kgf.m a 6.500 rpm (gasolina)/1,45 kgf.m a 6.500 rpm (etanol)

CG 160
Potência: 14,9 cv a 8.000 rpm (gasolina)/15,1 cv a 8.000 rpm (etanol)
Torque: 1,47 kgf.m a 6.000 rpm (gasolina)/1,61 kgf.m a 6.000 rpm (etanol)

>>Visite a nossa loja de motos

19 comments

  1. Minha titan 160 com 2500 km tiver que trocar embreagem!
    O mecanico falou que foi mal uso, mas eu tinha uma titan 150 que tirei zero fiquei 11 anos com ela e o mecanico vem falar que foi mal uso
    Resultado garantia não cobriu 436,00 preju

    Responder
  2. Ola galera, tenho uma fan 160 ela esta com 1500 km rodados, e ate agora não apresentou problemas, mas tenho um questionamento vibra muito em alta rotação, vo questionar na proxima revisao ,á e detalhe , nao e boa pra correr de 2 nao passa de 115 km no plano vo questionar e em descidas atinge 130 de 2 e assim mesmo, alguem me da uma dica?

    Responder
  3. Cara estou em dúvida agora troco com 1000 ou espero 6000 km ?

    Responder
    • Pode trocar o oleo a cada 6.000 mil, sim senhor.. Não equecendo de dois detalhes simples: Nunca deixar passar de 6 meses ( esse caso só aconte quando a moto não roda muito)..
      Em sehundo: Não quer dizer que vai rodar 6.000 km direto, sem conferir o nivel na vareta… uma coisa é usar o oleo que esta la por 6.000km… outra coisa é não acompanhar o nivel dele… sempre q baixar deve ser adicionado mais um pouco até completar…depois de 6.000km, descarta tudo, e ai sim coloca um fluido novo… dando a mesma atenção…ha…. quando necesaario se ligar na peça de filtragem tbm…

      Responder
  4. como no brasil as motos ficam inferiores e mais caras,culpa do consumidor que paga mais por menos,na India tem essa moto conhecida por hornet 160 bem melhor que a versa brazuca

    Responder
  5. Mas já vi a Fiat falar para trocar o óleo dos carros a cada 20 mil km, os motores deram borra e por fim a Fiat abaixou para 5 mil km, muita diferença!!!!
    Vamos ver se a Honda vai ter o mesmo problema( tomara que não) hoje os óleos são mais tecnológicos com base sintética, mas eu tenho minhas dúvidas se ele pode roda tantos km!!!!

    Responder
    • eu tenho uma 160 2016 e nao tenho coragem de rodar 6000 km com esse oleo troco a cada mil sei que as coisas evoluem mais nao confio nessa evolucao porque no fim e meu bolso que vai sofrer na hora que a moto fundir e a garantia me largar de lado dizendo que foi mal uso outra coisa interessante e que e pregam uma moto flex mais de flex nao tem nada ja viram no manual a taxa de compressao deste motor e muito baixa para um motor a alcool a injecao comprensa derramando enormes quantidades de combustivel numa viajem minha moto fez incriveis 20km com litro no alcool ai abandonei o alcool porque nao comprensa

      Responder
  6. A evoluçao dos lubrificantes foi muito grande. Mesmo o óleo MOBIL que era utilizado nas motos nas décadas de 80 e 90 são muito inferiores ao usado hoje em dia. Os motores também evoluíram, hoje com maior potência e em muitos casos maior durabilidade. Eu sempre uso óleo acima fa especificação recomendada! Eu tenho uma moto Honda, sempre tive uma honda nova. Mesmo na concessionaria Honda, nas revisões eu levo o óleo MOTUL sempre com especificação superior ao exigido pelo manual! Eu tenho uma loja de peças de motos. E constatei que um óleo bom, mesmo com a troca em quilometragem maior é mais benéfico que usar um óleo comum fazer a troca de 1000 em 1000 KM.

    Responder
  7. Ola,boa tarde,tenho uma CG honda 160 com apenas 13000 km rodados,revisões em dias,só que ela não está conseguindo atingir velocidade de 110 km por hora,nem em retas e nem e descidas,o que deve está acontecendo?

    Responder
    • Você deve ter trocado a relação e posto uma de 150cc

      A 160 marca o velocímetro pelo pinhao… O pinhão da 160 e menos do que da 150…. Cuidado com a multa por velocidade pq na verdade vc esta a 130 …. Abraços

      Responder
  8. roda 6,000 mil km pra ver,se com pouco tempo voçe nao esta sem moto,,

    Responder
  9. Conheço uns idiotas q só trocam a marcha da moto quando a bichinhos começa cortar.

    Responder
  10. Mais isso,é usando a moto do jeito correto.Se for dando pau = muitos fazem por aí,não tem óleo e nem motor q aguente.

    Responder
  11. as peças da motos de antigamente era mais forte e os engenheiro surgeriam a troca a cada 1000 km nao consigo entender esas trocas com 6000 km pega uma moto dessa e anda 6000km continuo e depois vc me fala o que acontece com esse motor

    Responder
    • Eduardo Santos: Assim como tudo nesse mundo evolui a mecânica das motos e principalmente a tecnologia para refinar óleo evolui. Os óleos de hoje tem mais viscosidade e duração maior, assim como os motores das motos evoluem para terem um melhor desempenho. Portanto se o fabricante recomenda x km/l para troca de óleo siga as instruções e polpe seu bolso e o meio ambiente.

      Responder
    • pega qualquer 150 antiga e coloca do lado da 160 e ve quem fica na frente

      Responder
  12. Com toda certeza colocam dinheiro fora MESMO. Tem alguns que trocam o oleo a cada 1000km, não chega nem a escurece. É claro que os pontos de troca recomendam trocar com baixa km. kkkk…

    Responder
  13. Juliano, é isso mesmo, o pessoal ficou com a cultura de trocar o óleo a cada 1000 km devido as motos antigas, e nem mesmo leem o manual para acompanhar corretamente o que a moto precisa, o máximo que tem que ser feito é verificar o nível a cada 1000 km e completar, tenho uma YBR e o manual indicar 3000 km, rodo 2500 km, e completo a cada 1000 km, ela rodou mais de 100.000 km para fazer o motor.

    Responder
  14. Estranho, 4 mil km para troca de óleo, será que todo mundo bota dinheiro fora trocando de 1000 em 1000?
    Agora imagina 6000 mil km!
    Com a nossa maravilhosa gasolina, quando trocar o óleo vai sair metade do motor junto!

    Responder

Comentário Best Riders


2 + um =