Honda CB 650F repete o sucesso da Hornet?

3
1698

Honda CB 650F: Há dois anos no mercado, modelo mais racional e menos potente perde a liderança do segmento naked

Honda_CB650F_09_20172811494
A 650cc da Honda é uma naked racional, de desempenho razoável e visual atraente

TEXTO: Arthur Caldeira/ Agência INFOMOTO
FOTOS: Doni Castilho

Comportada demais, Honda CB 650F não repete sucesso da Hornet

A Honda CB 650F tem todos os atributos que fizeram as motos japonesas tomarem conta do mercado mundial na década de 1970. Impulsionada por um motor de quatro cilindros em linha de funcionamento linear, a naked oferece uma posição de pilotagem natural e seu comportamento é bastante dócil. Ingredientes responsáveis pela fama de antigos modelos, como a Honda CB 750, a Kawasaki Z1 e a Suzuki GS 750. Mas, no caso desta mais recente “CB”, o comportamento dócil até demais parece não ter conquistado os fãs, ao menos no Brasil.

Honda_CB650F_01_201728114714
O novo motor de quatro cilindros, 649 cm³, privilegia o torque em baixos e médios giros

Lançada no final de 2014, a CB 650F chegou com a difícil missão de substituir outra CB, a 600F Hornet, embora a Honda negue isso e até evite comparar os modelos. Claramente, porque as comparações não favorecem a comportada CB 650F.

Esportividade versus racionalidade

Sucesso de vendas ao longo de uma década (2004 a 2014), a Hornet, tinha uma proposta mais esportiva. Seu quadro era feito em alumínio, a suspensão dianteira usava garfo invertido e, o mais importante, seu motor de 599,3 cm³, derivado da esportiva CBR 600RR, oferecia 102 cv de potência máxima a 12.000 rpm e com aquela “esticada” mais forte em altos giros.

Honda_CB650F_03_201728114739
Na dianteira, o tradicional garfo telescópico, com 41 mm de diâmetro e 120 mm de curso

Já o tetracilíndrico da CB 650F produz apenas 87 cv a 11.000 rpm. Uma razão para a redução é que os engenheiros da Honda privilegiaram o torque em baixos e médios giros, onde o novo motor de quatro cilindros, 649 cm³, DOHC e 16 válvulas é realmente mais forte: atingindo o máximo de 6,4 kgf.m já a 8.000 giros.

Honda_CB650F_12_201728114949
O motor de quatro cilindros da CB 650F produz apenas 87 cv de potência máxima

Apesar do desempenho inferior, o motor da CB 650F é bastante flexível. A ampla faixa de torque ajuda a fazer dela uma moto rápida e, ao mesmo tempo, fácil de pilotar. É um típico motor Honda de quatro cilindros, com uma entrega de potência suave e controlável. Não há aparatos modernos, como acelerador eletrônico, modos de pilotagem ou controle de tração, apenas uma resposta imediata ao acelerador já a partir de 4.000 giros e um câmbio com engates precisos e uma relação longa nas marchas mais altas. Pode-se engatar a sexta e última marcha e rodar tranquilamente até na cidade.O consumo variou entre 15,6 e 17,4 km/litro.

Honda_CB650F_08_201728114849
O consumo de combustível da CB 650F variou entre 15,6 e 17,4 km/litro
Honda_CB650F_10_201728114920
A CB 650F cumpre seu papel, mas a Hornet tinha um desempenho mais apimentado

A velocidade máxima fica pouco acima dos 200 km/h e, portanto, há desempenho suficiente para viajar dentro do limite legal, e a sensação de velocidade é ampliada pela falta de proteção aerodinâmica. Mas, apesar do agradável ronco da ponteira curta do escapamento, essa naked Honda não é das motos mais emocionantes. Em altas rotações, acima dos 8.000 rpm, os giros crescem mais lentamente e a CB 650F não tem a mesma “pegada” da Hornet.

Honda_CB650F_11_201728114933
O modelo naked da Honda pode alcançar cerca de 200 km/h

Fácil de pilotar

O desempenho do conjunto ciclístico é bastante equilibrado, mas também sem muita inspiração. A CB 650F é bastante maneável em baixas velocidades, graças a sua posição de pilotagem ereta e um assento baixo – 810 mm – que permite que a maioria dos motociclistas alcancem os pés no chão. A estabilidade em alta velocidade é excelente; e as suspensões, embora sejam espartanas, oferecem uma combinação de conforto e controle em curvas.

Honda_CB650F_07_201728114830
O desempenho do conjunto ciclístico é bastante equilibrado, mas peca pelo tradicionalismo
Honda_CB650F_05_20172811483
De fácil visualização, as informoções do painel digital inclui consumo médio e instantâneo
Honda_CB650F_02_201728114726
Na traseira, balança em alumínio, roda de liga leve, freio a disco e monoamortecedor

Mesmo que não haja do que reclamar, a naked de 650cc não consegue se igualar em leveza, agilidade e não transmite a mesma confiança do que a Hornet ou outras nakeds médias em uma serra sinuosa. Os freios são um bom exemplo: os dois discos de 320 mm e o eficiente sistema ABS são adequados para situações normais, mas em uma frenagem mais forte é preciso apertar o manete com vontade.

O banco duplo é confortável para médias jornadas e a garupa conta com alças de apoio e há ainda ganchos para a bagagem. O painel digital é atrativo e de fácil visualização, e inclui consumo médio e instantâneo, embora não seja possível alternar entre as informações sem tirar uma das mãos do guidão. Um indicador de marcha na CB 650F com seu elástico motor também seria bem-vindo.

Falta emoção

A Honda CB 650 F traz em sua essência o pragmatismo da Honda: uma moto racional, se muita emoção, feita para agradar diversos públicos, ao invés de se sobressair em relação às concorrentes. Fica difícil criticar, especialmente quando a estratégia resulta em uma moto de visual atraente, que tem um desempenho razoável.

Assim, como outras CB do passado, agrada aos fãs das motos quatro cilindros japonesas, mas falta um pouco de personalidade. Com preço sugerido de R$ 37.000, a CB 650F perdeu a liderança do segmento naked em 2016 para modelos de menor capacidade como a CB 500F (R$ 26.000 de tabela e R$ 20.990, com preço promocional), porém mais em conta. Mas vendeu menos do que outras motos com visual mais marcante e com mais caráter, caso da Yamaha MT-07 ABS 2017 (R$ 31.690) e perdeu até para a própria Honda CB 1000R (cerca de R$ 46.000), essa sim uma naked empolgante, mas que agora saiu de linha.

Honda_CB650F_06_201728114814
Com preço sugerido de R$ 37.000, a CB 650F perdeu a liderança do segmento naked em 2016

No fim das contas, a Honda talvez tenha razão e a CB 650F não veio mesmo para substituir a Hornet. Falta um pouco da emoção e do carisma da outra naked média. Fica então a lacuna no line-up da fábrica japonesa para um modelo sem carenagem, com motor de quatro cilindros, potência na casa dos três dígitos e mais personalidade. Cadê a Hornet 800cc?

Honda_CB650F_04_201728114751
A lanterna traseira da CB 650F conta com lâmpadas em LED

FICHA TÉCNICA Honda CB 650F

Motor Quatro cilindros em linha, 649 cm³, 16 válvulas, DOHC, arrefecimento líquido
Potência máxima 87 cv a 11.000 rpm
Torque máximo 6,4 kgf.m a 8.000 rpm
Diâmetro x curso 67,0 x 46,0 mm
Alimentação Injeção Eletrônica de combustível – PGM – FI
Taxa de compressão 11,4 : 1
Sistema de partida Elétrica
Capacidade do tanque 17,3 litros
Câmbio 6 velocidades
Transmissão final Corrente com anéis de vedação
Suspensão dianteira Garfo telescópico convencional com 41 mm de diâmetro, 120 mm de curso
Suspensão traseira Monoamortecida, 128 mm de curso
Freio dianteiro Discos duplos flutuantes de 320 mm e pinça de dois pistões (ABS)
Freio traseiro Disco simples de 240 mm com pinça de pistão simples (ABS)
Pneu dianteiro 120/70 – ZR17 M/C
Pneu traseiro 180/55 – ZR17 M/C
Altura do assento 810 mm
Altura mínima do solo 150 mm
Quadro Dupla trave superior em aço
Dimensões (c x l x a) 2.110 x 775 x 1.120 mm
Entre-eixos 1.450 mm
Peso seco – 192 kg (194 kg c/ABS)
Cores: Vermelho e preto perolizado
Preço sugerido: R$ 37.000 (ABS)

3 COMENTÁRIOS

  1. A 650 ainda está muito cara tenho vontade de comprar uma mais vou esperar para ver se melhora o preço se não ficar mais barato vou partir para a XJ só quero mesmo para passeio e viagem finais de semana essa moto estão um absurdo a ronda tá ficando louca

  2. Bela moto, padrão Honda. Porém, muito cara para o que oferece. Por isso perdeu mercado. Pois com mais algum investimento, o que não deveria ser necessário com esse preço, pode-se investir em filtro de ar, velas, remapeamento da ECU e pra quem pode, nas mangueiras de freios… aí sim, começa a melhorar… mas quem vai fazer isso quando já se pagou um absurdo na moto? Hoje, fev-2017 já custa 42 mil sendo que se paga por 47 mil no consórcio… eu mesmo só entrei porque contava com uma grana que não veio, aí fiquei nessa cilada do consórcio, já que não consegui tirar logo a moto… 72 prestações.. a saída será tirar quem sabe uma 1000 cc com pouco uso e tentar salvar o investimento… ou seria prejuízo?…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


seis − 1 =