Honda CB 300R, uma moto simples e eficaz

9
1577

Após uma semana rodando com a Honda CB 300R, batizada carinhosamente pelo nosso colaborador Roberto Severo de Bloody Mary, minha avaliação chegou ao fim.

Honda CB 300R, uma moto simples e eficaz

Honda CB 300R
Fotos: Edgar Rocha

Ao saber que teria de passar uma semana com a Honda CB300R para avaliação, confesso que fiquei receoso. Falam tanto sobre roubo deste modelo que pensei duas vezes se valeria à pena correr este risco. Cheguei a cotar um seguro, apenas para ter uma ideia de preço. Para minha surpresa, saiu mais barato do que pensei, menos de R$ 2.000,00, apesar de ainda achar caro. Andando com ela na cidade, cada vez que avistava uma moto com garupa atrás da mim, pensava “puxa vida, será que é agora?” Fiquei meio neurótico, com mania de perseguição. Confesso que também não fiquei muito entusiasmado, não estava esperando grandes emoções ou surpresas. Sendo uma Honda de média cilindrada, feita para ser a escada do pessoal que andava de 150 e migrou para a 250 – e pretende chegar às motos de maior cilindrada, tinha certeza do que ia encontrar. Simplicidade e eficácia.

Semelhança da Honda CB 300R com a CG 150

Visualmente ela é bem desenhada, sem ousadia ou fortes emoções nas linhas ou detalhes. Lembrou-me muito a Titan 150. A Honda CB 300R é 9,7 cm mais longa, 1,5 cm mais larga e 5,8 centímetros mais baixa. O entre-eixos da CB é 8,7 cm maior e a altura do assento é quase a mesma. Dê uma olhada nas duas juntas e vocês verão que dá até para confundir.

Honda CB 300R e CG 150
CG 150 Titan x CB 300R. Semelhança no estilo

Duas coisas que, para mim, destoaram do conjunto foram o pedal de freio, no melhor estilo chinesinha, e o tamanho avantajado dos piscas. O painel fornece todas as informações necessárias, além de bem funcional e bonito, porém me incomodou a economia de mostrador digital. Já passei dos 40, e quase tive de colocar os óculos para enxergar os números. Muita informação em pouco espaço no painel da Honda CB 300R. Os comandos são simples e exatos. Nada falha ou tem de se apertar duas vezes. Justos, precisos e de desenho comum. Os retrovisores seguem a mesma escola e têm um bom desenho, acompanham o visual da moto e demonstraram ser eficazes. Achei o banco estreito e sem encaixe para o piloto. Você fica passeando sobre ele… não sabe se vai para a frente, tentando acomodar as pernas no tanque, ou se volta para trás, tentando achar um apoio. Para aqueles que pensaram em sugerir um tipo de encaixe malicioso… dispenso.

As suspensões são ótimas, copiam bem o piso e com dureza na medida certa. Motor excelente. Acelera bem rápido ganhando giro com facilidade tanto em alta como em baixa rotação. Apesar de certa vibração em algumas rotações, ela vai bem mantendo os 120 km/h com facilidade na estrada. O câmbio, como se é de esperar, possui engates precisos, é macio e bem escalonado. Freios? Nossa! Param a moto antes do que você imagina e o ABS dá uma segurança de você poder “alicatar” em qualquer situação e tipo de piso sem se preocupar. O mais difícil na frenagem é ficar em cima da moto. Ela para tanto, que quase somos catapultados para frente. Acho que todas as motos acima de 300 cm³ deveriam sair de fábrica com este sistema e não ser um opcional que custa R$ 2 400.Honda CB 300R

Realmente um conjunto maravilhoso, e não poderia ser diferente em se tratando de uma Honda. A CB 300R é uma motocicleta completa, segura, impecável e com total confiabilidade de componentes. Tão simples, que mais parece uma exacerbada preocupação com economia. Porém, acho que algumas coisinhas poderiam ser diferentes. Pilotando a CB 300R, por diversas vezes me senti sobre uma Titan vitaminada. Digamos, como um Gol com mecânica Audi. Freia, anda muito, faz curva…mas super espartana e de dimensões que, na minha opinião, devido a cilindrada, deveriam ser maiores. Incomoda a grande semelhança de detalhes com a Titan 150. O design também poderia ser mais ousado, com linhas que se assemelhassem mais a uma Hornet.

Honda CB 300R

A falta do cavalete central em uma moto leve e com vocação para utilização em centros urbanos, para mim é grave. Mas, se tratando de uma marca que ainda coloca freio a disco e partida elétrica em seus produtos de entrada como opcional, é mais que esperado. Porém, o que mais me incomodou e surpreendeu – pois não achei que teria este tipo de problema em uma Honda, foi a “alça” do descanso lateral interferir na troca de marcha. Ela fica posicionada estrategicamente para atrapalhar o encaixe do pé para a troca de marchas. CB 300RDois detalhes inconvenientes: uma excessiva folga vertical no manete de embreagem e uma vibração na carenagem frontal. A CB também não gosta de trafegar em baixa rotação em segunda marcha, uma situação corriqueira ao trafegar pelo corredor ou fazendo uma curva de esquina devagar. O motor reclama e “bate“ diferente, obrigando-nos a queimar um pouco de embreagem ou a passar para a primeira marcha, que é muito forte para aquele momento. Portanto, meu caro Roberto, seu Bloody Mary estava impecável dentro da perfeição, sua receita está “mililítricamente” correta, porém, como escrevi acima, faltou tempero!!! A moto é excelente, perfeita, tudo funciona como esperado, mas é sem graça, falta apelo e ousadia. Merecia muito mais sal e pimenta.

1 dose de vodka 150 ml de suco de tomate 1/4 colher (café) de sal 6 gotas de molho inglês 1/4 colher (café) de pimenta-do-reino preta moída 6 gotas de suco de limão Misturar todos os ingredientes e despejar num coipo tipo short drink. Colocar gelo a gosto e, se quiser, decorar com uma fatia de limão.

 

9 COMENTÁRIOS

  1. Caros amigos boa tarde sou novo por aqui mas tenho uma CB 300 2011 30.000mk rodados gosto muito de viajar mas ultimamente sem tempo e estou usando minha pretinha para pequenos passeios e me locomover de segunda a sexta para o trabalho que não e muito longe de casa pôs bem Ontem pela manha minha CB deu estes problemas citados pela maioria aqui presente no tópico pela manha ela liga sem dificuldade mas em certa de um minuto para ai tenho que enrolar o acelerador para pegar novamente só que eu soltar ela morre quando esquenta pronto tudo normal ai vamos nessa só que ontem pela manha eu sentir ela dando umas falhadas e puxando para traz proto já me veio o nervoso ate que ela morreu desligou do nada parecendo que acabou a gasolina ai dei um tempo tentei nada mais uma vez pegou e pronto tome a falhar só puxando para traz em altas rotações ai vim procurar ajuda aqui lendo lendo não dormir ate que juntei as coisas e pronto falei a mim mesmo e bomba de combustível:( cheguei ate ver preços em alguns sites já pra ter a ideia da facada Ai como não sou nenhum engenheiro mas entendo um pouco de eletrônica fui eliminando partes verifiquei vela claro que não poderia faltar dei uma carga na bateria olhei fusíveis e ai me veio uma ideia quando ela funcionar eu vou pra velha futucada de cabos e olha la o danado do problema parou desligou do nada eu liguei novamente e percebi a bomba fraca ai fiquei triste liguei novamente quando dei uma esticada engasgando embolando e morrendo nesta sequencia fui para a futucada novamente ela ligada claro,olha la os estralos no rele da bomba pôs e pessoal mau contato no soquete do rele da bomba ou seja ao enrolar o acelerador na vibração ela dava os mão contatos olha eu novamente amando a moto kkkkk tirei o rele limpei os contatos com uma lixa bem fininha reapertei os quatro pinos femeá do soquete com uma chave fenda de relojoeiro e pronto tudo ok ufa grassas a Deus a bomba esta boa mas ainda estou com o problema de ligar pela manha que com certeza e regulagem do cabeçote que nunca fiz 30 mil km só na minha mão único dono odeio moto que já foi de outros obrigado espero ter ajudado a alguns ou melhor a todos

  2. Olha… Troquei minha menina e a uma semana estou andando com ela e decidi ler alguns artigos sobre a mesma.
    Tenho que concordar com tudo que li, os detalhes, a falta deles, a baixa rotação, a potencia, a estética, etc, resumindo me agrou e muito, já vinha namorando ela a um tempo e realizei mais esta conquista. Eu recomendoooo

  3. engraçado a comparação com a titan, porque normalmente dizem que ela parece mais com a Hornet, o que também não concordo.

    a moto que parece mais com uma 600 é a Comet, mas pensando na cilindrada, a proposta da CB300 faz mais sentido. O design é muito bom, o tanque tem um desenho agressivo, pneu 140mm atrás.

    acho que só não compraria porque também passaria um “cagasso” com ela todo dia em São Paulo rs. Mas por outro lado, a situação está tão ruim que se for ficar preocupando tanto com isso a pessoa não compra uma moto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


1 + = três