“Deu ruim” na estrada? Confira 5 dicas essenciais

1
232

A moto quebrou, o pneu furou, a gasolina acabou? Conheça dicas de como proceder em uma situação de emergência

DEU_RUIM_NA_ESTRADA_ABRE_2017
Mesmo as motos mais modernas podem ter problemas, é bom estar preparado

TEXTO: Cicero Lima / Agência INFOMOTO
FOTOS: Agência INFOMOTO

“Deu ruim” na estrada? Saiba o que fazer

Você planeja a viagem com antecedência, escolhe o destino, traça o roteiro… Mesmo assim, imprevistos podem acontecer. Sua moto pode parar na estrada por um motivo simples: cabo de acelerador rompido, corrente quebrada, falta de combustível ou até mesmo o indesejável pneu furado. Veja cinco dicas de como proceder em uma situação de emergência durante uma viagem.

A moto avisa

Na maioria dos casos, antes de parar totalmente, a moto transmite alguns avisos. Uma engasgada do motor, um barulho forte na corrente, uma oscilação na roda ou uma luz de advertência piscando no painel são sinais de que algo está prestes a acontecer.

O aviso também pode vir de outros motoristas e passageiros de carros apontando para você, mostrando que o pneu está murcho, ou que está vazando algum líquido da moto. Ou até mesmo um alerta de que a bagagem está se soltando.

O ideal é apertar o manete da embreagem e seguir no embalo até o acostamento. Lembre-se de sinalizar com a seta e prepare-se para manter o controle da moto caso a roda chegue a travar.

DEU_RUIM_NA_ESTRADA_02_2017
Ao mudar de faixa a sinalização com a seta é importante para a segurança do piloto. Foto: Mario Villaescusa 

Agência Infomoto/Mario Villaescusa

Parar e sinalizar

Pode parecer óbvio, mas ainda há motociclista (e motorista) que deixa o veículo quebrado no meio da pista. A primeira atitude é buscar um local seguro para encostar. De preferência um posto de combustível ou um ponto de serviço de atendimento ao usuário da rodovia.

DEU_RUIM_NA_ESTRADA_04_2017
Motos como a Yamaha SuperTénéré oferecem o pisca alerta, sinalizado pelo triangulo. Imagem: Renato Durães

Mas, se você estiver no “meio do nada”, a solução vai ser parar no acostamento. Evite parar em uma curva. Empurre a moto (sempre mantendo o corpo longe da pista) para um trecho reto, assim os motoristas poderão ver a moto parada. Acione o pisca alerta, caso sua moto tenha. Outra possibilidade é usar galhos de árvores ou tufos de capim na pista para sinalizar que há um veículo parado à frente.

DEU_RUIM_NA_ESTRADA_05_2017
O uso do pisca alerta em emergências diminui a chance de acidentes
DEU_RUIM_NA_ESTRADA_03_2017
Não deixe a moto nas curvas, o ideal é procurar um trecho de reta que oferece melhor visualização. imagem: Marcos M. Carmona

Os integrantes de moto clubes usam uma sinalização bastante peculiar: deixam o colete pendurado na traseira da moto para avisar a outros motociclistas que estão com problemas e precisam de ajuda.

Acostamento

Embora muitos usuários julguem que o acostamento é seguro, infelizmente não é. Na Via Dutra, uma das estradas mais movimentadas do Brasil, aconteceram 721 acidentes no acostamento nos primeiros nove meses de 2017. “O acostamento traz uma falsa segurança para os motoristas”, afirma Peter Ribeiro, da CCR Nova Dutra, empresa que administra a principal via de ligação entre Rio e São Paulo. Caso seja necessário aguardar o socorro mecânico, a recomendação da concessionária é para que os usuários façam isso fora do veículo e afastado do acostamento.

DEU_RUIM_NA_ESTRADA_07_2017
Em pistas de tráfego intenso ao parar o piloto deve procurar um local longe do acostamento. Imagem: Renato Durães
DEU_RUIM_NA_ESTRADA_01_2017
Ao estacionar na estrada mantenha a moto em local afastado do acostamento. Imagem: Mario Villaescusa
DEU_RUIM_NA_ESTRADA_06_2017
Ao estacionar deixe a moto o mais afastado da pista e, de preferência, paralela a estrada

Analise o problema

Quando estiver em um local seguro – de preferência fora do acostamento – veja se é possível resolver o problema. Por vezes, um fio solto (na bateria, por exemplo), um fusível queimado ou um cachimbo de vela mal encaixado podem fazer a moto parar. São problemas simples que você pode solucionar e seguir viagem. Já no caso de um pneu furado, se você tiver o kit de reparo e a habilidade manual pode fazer o conserto e voltar a rodar. Mas se o problema for mais complicado, o que resta é contar com o resgate.

Quem vai te levar

Se tiver seguro da moto é possível acionar o guincho. Mas, para isso, lembre-se de manter junto aos documentos da moto os números de contato da seguradora.

DEU_RUIM_NA_ESTRADA_09_2017
Ao rodar em estradas pouco conhecidas procure saber o número do telefone de emergência
guincho1_2017
Caso sua moto pare e você não consiga resolver o problema, recorra ao SOS das rodovias. Imagem: Adenir Britto

Em algumas estradas, é possível usar o telefone fixo de emergência (SOS Usuário) à beira da pista para acionar o resgate (que o levará até um posto de serviço). Em algumas estradas, caso da Rodovia Fernão Dias (que liga São Paulo a Belo Horizonte), não há este tipo telefone, então é preciso ligar do seu celular para o número de emergência da rodovia.

_guincho2_2017
Sempre anote o número de emergência das rodovias onde vai passar, isso pode ajudá-lo em caso de pane. Imagem: Adenir Britto

Antes de iniciar a viagem convém fazer uma pesquisa e carregar consigo os números dos telefones de emergência nas estradas que serão percorridas. Veja abaixo os números (ligação gratuita) de algumas das rodovias mais movimentadas do País.

DEU_RUIM_NA_ESTRADA_08_2017
Telefones de emergência na estrada acionam o resgate que leva a moto para local seguro

– Via Dutra – 0800 0173536
– Fernão Dias – 0800 2830381
– Anhanguera/Bandeirantes – 0800 055 50
– Castello Branco – 0800 055 50
– Raposo Tavares – 0800 7015555
– Ayrton Senna/Carvalho Pinto – 0800-7770070
– Régis Bittencourt – 0800 7090116
– Imigrantes / Anchieta – 0800 197878
– Rio Lagos – (BR 101) 0800 2820 101
– Rio – Belo Horizonte 0800 0400040
– Florianópolis – Porto Alegre (BR 101 Sul) 0800 6030101
– Curitiba – Florianópolis 0800 7251 771
– Juiz de Fora – Brasília (BR 040) 0800 0400040

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


− 3 = cinco