BMW F 800 R – Uma Sensual Triatleta de Tirar o Fôlego…

49
3004

BMW F 800 RFotos: Roberto Severo

O título original seria “Medalha de Ouro nos 200 metros com Barreiras”, mas seria um golpe desleal no sentidos mais básicos dos leitores, uma negligência às forças obscuras que algumas motos exercem nos instintos humanos.

Dito isso, comecemos com os aspectos esportivos: nem sempre um atleta que corre muito bem os 200 metros com barreiras se dá bem em tiros longos, 800 metros, ou mais extensos ainda, como uma maratona. E a explicação é simples, estes atletas não foram preparados para determinados tipos de provas. Eles até participam de várias modalidades, mas se dão melhor em uma específica.

No mundo das duas rodas não é muito diferente. O projeto sempre visa uma utilização específica. São desenvolvidas algumas qualidades, fortalecidos alguns músculos, privilegiada a resistência ou a explosão, e tudo isso junto faz com que a moto cumpra bem o seu papel, e este papel representa um desejo de utilização do público a quem ela vai ser direcionada. Simples assim!

Voltamos os holofotes para a BMW F 800 R, nossa moça da vez, que leva medalha de ouro nos 100 m rasos – transporte na cidade, e 200 m com barreiras – pequenas viagens em terreno misto; prata nos 800 m – viagens acima dos 250 km; e bronze na maratona – tiros de mais de 400 km. Isso não quer dizer que ela não seja versátil, pelo contrário, afinal uma medalha de bronze não é para qualquer um no mar de dezenas de competidores.

BMW F 800 R
Além das qualidades esportivas, a loira candidata alemã também seria favorita em uma competição de miss universo.
Linhas retas que convivem com curvas, uma bela assimetria que não destoa na obra final, aliado ao belo corpo, quase nu, exibindo pedaços do motor e entranhas da moto. Enfim, uma feliz harmonia no design.

Já que migramos para a segunda característica de Miss BMW F 800 R, e já que estamos falando de sensualidade em duas rodas, por que não mencionar o resto do corpo? O conjunto ótico assimétrico dianteiro é um charme, parece piscar com seus faróis diferentes convidando o piloto a uma voltinha em seu corpo “naked” e caliente. E por que macular as costas com uma grosseira tampa de combustível, se esta peça poderia ser colocada atrás da coxa direita do piloto, como uma tatuagem em baixo relevo na pele metálica da sensual alemã?

A traseira mostra uma bela alça de garupa, como um laço prateado  na altura do cóccix da moça, fechando o design com chave de ouro.

Não, não terminou… nem viramos a chave ainda! Ao acionar o motor, uma voz forte, rouca privilegiando os tons “médios”, convida mais ainda o piloto a um passeio em suas costas. Entusiastas, escutem a voz da madame F 800 R:

Seu corpo de miss pesa 177 kg seco e 199 kg com todos os fluídos em ordem de marcha.

O painel da F 800 R não mudou muito do modelito 2011, e confesso que ainda acho um pouco confuso, com comandos que devem ser acionados ora no polegar esquerdo, ora diretamente nos dois botões do painel cujas principais informações são:

  • Velocímetro e Tacômetro analógico
  • 2 hodômetros parciais e um total
  • Temperatura do motor e ambiente
  • Velocidade média em km/h
  • Consumo médio em litros/100km
  • Consumo atual em litros/100km
  • Distância trafegada na reserva
  • Hora
  • Cronômetro
  • Monitor de pressão dos pneus
  • Marcha engatada
  • Shift light

Como disse, há várias outras informações do computador de bordo com muitas combinações de botões a serem pressionados, para quem se interessar, e quiser baixar o manual da moto, pode usar este link. Mas atenção:  é da versão canadense (que disponibiliza para download), que é ligeiramente diferente nos detalhes de alguns opcionais de série.

BMW F 800 RChega de prosa e vamos ao teste!

Trânsito:

Resumo: leve, ágil, rápida, e chama atenção por onde passa e por onde para. Claro! Imagine uma top model seminua no farol da avenida mais movimentada de sua cidade!

Quando a gente chicoteia com a mão direita os 87 cavalinhos, presos dentro dos dois cilindros com água por todos os lados, eles não brincam em serviço, fazem valer o combustível que bebem do tanque de 16 litros (4 de reserva) e respondem muito bem, fazendo a moto pular na frente do trânsito, por várias vezes quase levantando a roda da frente. O que mais me chamou a atenção foram as retomadas, tanto aqui na cidade quanto na estrada. Isso porque a relação de marchas foi feita sob medida para o motor!

Se ela acelera bem, freia melhor ainda, os freios ABS Brembo só faltam falar e mostram porque vieram ao mundo. Em qualquer velocidade ou terreno, as repostas são precisas, seguras e, aliados com os pneus Metzeler M5, comandam madame “Bündchen” com excelência na passarela de asfalto.

A moçoila passa bem entre os carros, e manobra com facilidade. Acredito que poderia esterçar um pouco mais mas não compromete de forma nenhuma!

Peguei um trecho de terra e buracos de fazer inveja à lua, e apesar de bater um pouco o amortecedor dianteiro, como se gritasse “Me tira daqui!!!!!!”, o equilíbrio sempre foi mantido, e em nenhum momento perdi o controle, tanto traseira, como dianteira, passando pelo balanço do quadro e freios.

BMW F 800 R
Estrada – “Teste dos 400 quilômetros”:

Sabadão, véspera de eleição, macarronada da mama, e estrada para refletir e votar (ou não) consciente no dia seguinte. Mais quatrocentos quilômetros para a minha milhagem virtual sobre duas rodas em um “bate e fica” em Campos do Jordão. Aqui ela mostrou porque é versátil e leva medalhas em várias modalidades.

Percurso:


Exibir mapa ampliado

Fui sem paradas, afinal eram apenas 200km. A aceleração muito boa e relação de marchas feitas sob medida para os 798 cc do motor. E dava para perceber a perfeição nas retomadas, quarta, quinta e sexta orquestram perfeitamente, dando total segurança em ultrapassagens na serra. A moto deita, deita e parece presa ao asfalto. O amortecedor de direção, que vem de série, dá segurança em curvas em alta e baixa velocidade.

Passei um aperto em uma curva no início da subida da serra de Campos do Jordão. Entrei rápido buscando a tangência, e logo percebi que havia muito pedrisco deixando o piso sem nenhuma aderência. Tarde demais, já estava deitado, dentro da curva, e começando a primeira oração! Reduzi para terceira acionei o freio traseiro para trazer a moto de volta, senti o ABS trabalhando rapidamente. Por não acionar o freio da frente não perdi a dianteira e o conjunto voltou para o prumo, claro que a moto espalhou um pouco mais na saída da curva, mas aqui estou para contar a experiência. Que meu corretor de seguros não leia estas linhas. Se o conjunto não fosse equilibrado e bem projetado tudo seria mais difícil. Amém.

O assento, aliado com a postura (posição do guidão), mesmo não sendo tão confortável para “longos tiros”, foi suportável, e não comprometeu a viagem em quase nada. No final do périplo, as nádegas pareciam ainda arredondadas… hummm… ovais, vai!

O mesmo não posso dizer das costas. Apesar da postura não ser ruim, a partir do quilômetro 180 rodando direto, o bicho começou a pegar e cada quilômetro parecia uma milha e próximo ao destino cada quarteirão parecia ter dois quilômetros, e nunca fiquei tão feliz em parar em um posto para abastecer chegando em Campos do Jordão. Nem vi qual bomba parei. Diesel? Não! Acelera para a próxima. Aditivada? serve… “pelamordedeus”, deixa eu descer e alongar!

A nossa Gisele de duas rodas fez uma média de 21km/l na cidade e 23km/l na estrada. Velocidade final? Segundo a BMW a moto supera os 200 km/h e eu acredito totalmente nesta afirmação, entende?!

Se você ainda tem dúvidas da qualidade ciclística e não acredita neste urso do asfalto que vos escreve, vale a pena dar uma olhada no vídeo do Chris Pfeiffer, piloto “acrobata” oficial da BMW “vestindo” uma F 800 R a moto que ele elegeu para suas “brincadeiras”.

Tudo bem que a moto é preparada para ele, mas mesmo assim continua sendo em essência uma BMW F 800 R que é vendido junto com chucrute e salsichão no boteco alemão da esquina. Uma refeição germânica de 37 mil pratas.

Em tempo: para ler sobre a experiência que tive com a F800R no ano passado (modelo 2011) em uma maratona São Paulo – Rio – São Paulo, acesse este link.

Keep Riding!

Ficha técnica:
Motor: Bicilíndrico, 4 tempos, 4 válvulas por cílindro
Diâmetro / curso: 82 mm x 75.6 mm
Cilindrada: 798 cc
Potência máxima: 87 cv (64kW) a 8.000 rpm
Torque máximo: (Nm)/RPM 8.8 kgf.m (86 Nm) a 6.000 rpm
Taxa de compressão: 12 : 1
Preparação do combustível / gestão do motor: Electronic intake pipe injection / digital engine management (BMS-K+)
Catalisador: 3 vias com sonda Lambda
Velocidade máxima > 200 Km/h
Alternador / Autonomia: 400W
Bateria: 12 V / 14 Ah, maintenance-free
Transmissão: Embreagem Multiple-disc clutch in oil bath, mechanically operated
Câmbio: 6 marchas
Transmissão: Corrente
Quadro: Bridge-type frame, cast aluminium, load-bearing engine
Suspensão dianteira: Garfo telescópico de 43 mm de diâmetro
Suspensão traseira: Balança traseira de alumínio com amortecedor centralizado
Curso da suspensão dianteira / traseira 125 mm / 125 mm
Distância entre eixos: 1,520 mm
Trail: 90.7 mm
Ângulo da coluna de direção: 65°
Rodas: Cast aluminium wheels
Roda dianteira: 3.50 x 17″
Roda traseira: 5.50 x 17″
Pneu dianteiro: 120/70 – ZR 17
Pneu traseiro: 180/55 – ZR 17
Freio dianteiro: Disco duplo flutuante de 320 mm com pinça de 2 pistões
Freio traseiro: Disco simples de 265 mm com pinça flutuante de 1 pistão
ABS Optional extra: BMW Motorrad ABS
Comprimento:  2.145 mm
Largura: 905 mm
Altura: 1.160 mm
Altura do banco: 800 mm/ 775 mm/ 825 mm(opcional)
Curvatura das Pernas: 1.770 mm (low seat: 1.720 mm, high seat: 1.820 mm)
Peso em ordem de marcha: 199 kg
Peso seca: 177 kg
Peso total permitido: 405 kg
Carga útil (com equipamento de série): 206 kg
Capacidade do tanque de combustível: 16 l
Reserva: 4 l
Preço: R$ 36.900,00

49 COMENTÁRIOS

  1. Pessoal, matéria antiga porém só estou lendo agora.
    Em maio de 2016 resolvi sair da Minha Fazer 250 2012 ainda bem nova e comprei uma BMW F800R 2012/2012 VERMELHA E CINZA, com 14mil km em Botafogo, aqui na Capital do Rio. Só tenho a dizer que a minha vida mudou. Logo de cara, fiquei com medo devido estar pulando para uma moto tão maior e mais potente, porém o baixíssimo peso e a forma como a moto me acomodou fiquei extremamente confiante e em 5km ja sentia como se a moto fosse minha a anos. Em resumo o que quero dizer é que nunca andei numa moto de alta cilindrada que te acomoda e passa confiança de forma tão rápida. O acelerador é super sensivel porem facil de contrololar. Os freios são extremamente precisos e o ABS funciona maravilhosamente. No começo quando comprei o que mais fez eu tomar a decisão foi o fato do ronco do motor/escapamento. Mas hoje, nao vejo uma moto que se equipare a ela em relação ao meu uso. Diario na cidade e finais de semana de serra e estradas com media de 250km de bate volta. Econômica, potente de mais, não vibra muito ate uns 6mil RPM, VELOCIDADE CRUZEIRO de 160km/h numa boa sem consumir muito, com boa pilotagem e segurana em frenagem. A beleza dela vem pelo conjunto. Sou apaixonado pela minha moto. Ja pensei em qual moto poderia vir depois dessa, mas ate hoje nao vo alguma qie se enquadre nas características dela!

  2. Bom dia amigo, sei q cheguei um pouco depois do seu post… mas gostaria de saber se tem conhecimento de setas, se as paralelas dao algum problema, se precisa instalar o rele se vc recomenda alguma. Parabens pelo post.

  3. Ola’ Roberto!

    Parabens pelo texto.
    Estou com uma duvida tremenda, quero comprar uma F800R, porem tenho visto diversas reclamacoes na net sobre vibracao, problemas eletricos e ate’ mecanicos. As reclamacoes que encontro, sao sempre do ano passado (2012), sera que esses problemas ja foram resolviddos? Sera’ que sao problemas “pontuais” que nao acontecem em todas as unidades vendidas?
    Ate’ agora, esta moto e’ a que mais se enquadra para o meu uso (50% cidade com garupa, 50% estrada trechos curtos de 100km sozinho), sem falar do seguro que e’ mais barato que outros modelos.
    Outra coisa, qual seria um outro modelo recomendado para meu uso? Moro no Guaruja e trabalho em SP, a moto seira para subir e descer 2 vezes por semana. ( a moto tem que oferecer um certo conforto para a garupa, se nao a patroa nao deixa comprar!! rs rs rs)

    Grato

    • Marcelo,

      obrigado pelo comentário e pelo elogio,

      quanto aos problemas que você relacionou, não posso lhe dizer, mas na questão utilização, pelo o que você relata, vais passar um bom tempo sobre a moto Talvez uma F800GS seria uma opção mais recomendada.

      Grande Abraço,

      Roberto Severo

      • Marcelo, tenho uma 2012/12 comprada em maio desse ano. Não tive mais os problemas que existiram em alguns modelos 2011, no manicoto do mata-motor (eram trocados por outro em garantia).
        Faço uso de forma parecida a que você pretende, mas tenho rodado mais ainda, uns três dias para ir ao trabalho e uns 250 km todo final de semana pelas estradas. Quanto mais me familiarizo com a moto mais percebo o acerto da decisão! Já tive mais de 20 motos em 20 anos e lhe digo que que essa moto surpreende em alguns itens (muitos, aliás): freios sólidos e precisos, motor suave e ao mesmo tempo cheio de torque em baixa rotação. Depois dos 6.000 giros um “bicho nervoso”, uma delícia. Muito baixo peso, baixo centro de gravidade, excelente farol, boa maneabilidade… muitas qualidades.
        Pegue sem medo.

        • Ola’ Andre’

          Muito obrigado pela informacao.
          O que voce tem a dizer sobre a vibracao que algumas pessoas comentam, a partir de que velocidade ela e’ percebida, se e’ que existe? Nao sou de correr, tambem nao me importo com com a velocidade final da moto, so’ preciso de uma moto para subir a serra esporadicamente e passeios no final de semana.

          Grato

          Marcelo

          • Marcelo, a vibração é perceptível quando acelerando forte, ou seja dos 6.000 giros em diante quando ela libera uma cavalaria extra de forma viva. Mas dentro de sua proposta, mantendo os 100-120 km/h ela é muito agradável. Não tem a suavidade de uma quatro cilindros, mas até essa velocidade as vibrações não atrapalham. E quando se diz vibrações está distante de atrapalhar como nos monocilíndricos modernos, por exemplo. Além do mais, o “pacote” que ela oferece é bastante completo, difícil de ser equiparado pelas concorrentes. E se não tem a conhecida suavidade de um 4 cilindros, o bicilíndrico oferece torque farto, linear e a potência surpreende quando necessária.

      • Olá Roberto,

        O uso da moto seria basicamente na cidade e estrada de vez em quando(viagens curtas), e quase sempre com minha esposa na garupa…

        Fico aguardando seus conselhos…
        Abraço forte…
        Antoniony

    • Olá DVC,

      Obrigado pelo comentário, vou incorporar em todos os testes, achei que é uma forma de aumentar a experiência do leitor.

      Abraço,

      Roberto Severo

  4. Parabéms pela redação. O texto foi muito bem escrito, mas não tem nada haver com a experiência que tenho, dono de uma BMW F800R desde abril de 2012.
    Já fiquei na rua duas vezes, tendo que rebocar a moto. Isto, devido a problemas no punho direito. Problema que vem acontecendo com alta frequência, provoca a paralização da moto e a fabricante não faz um recall. Apenas troca a peça por outra do mesmo modelo, que volta a apresentar o mesmo defeito. Na minha aconteceu duas vezes e é comum ver casos se repetirem por duas, três…
    Este problema denuncia a falta de qualidade das peças. Embora tenha escolhido boas marcas, para os itens mais evidentes: quadro, freios, suspensão… há um exagero de peças de plástico, de qualidade duvidosa.
    Há problemas constantes com a Bomba de Água / Óleo. Aconteceu em diversas motos.
    E em caso de problema, torça para que a peça esteja disponível, pois pode-se esperar por mais de trinta dias. Uma das minhas carenagens laterais, simplesmente soltou a tinta. Aguardei mais de 30 dias para que fossem substituidas e os adesivos, que são colados na carenagem, demoraram mais de 60 dias. Quando vieram finalmente, eram os dosi do mesmo lado.
    Outro ponto que chama a atenção, o altíssimo custo de peças, acessórios e mão de obra. O custo do km rodado desta moto é muito alto, embora o seguro seja barato. Para que se tenha uma idéia, os pneus duram apenas 10k e custam por volta de 1.300 o jogo.
    Vai comprar uma dessas? Pense bem. Eu estou arrependido!

    • Olá Reinaldo,

      Muito grato pelo comentário. É o que costumo dizer, nós convivemos com a moto por 7 dias, claro que é uma experiência limitada. E este espaço é justamente para isso que você fez, relatar a experiência cotidiana com a moto, boas, e más. Mais uma vez, agradeço!

      Abraço,

      Roberto Severo

  5. Meu deus, lendo a materia numa madrugada de quarta feira, fico até com vontade de chorar, fui na concessionária da BMW, comprar a F 800R, dando 18 mil de entrada + 24 parcelas de 798 reais, porém, pra minha decepção, a promoção é valida até o dia 30 do mÊs atual, ou até o estoque de 52 unidades acabarem, contando o que ocorrer primeiro. Obviamente o estoque acabou, fui informado que em menos de 2 semanas! BMW é um absurdo de moto, matéria prova tudo, parabéns BMW!

  6. Muito bem escrita a matéria.
    ME SENTI VIAJANDO JUNTO !
    Inclusive naquela primeira curva, com pedriscos no asfalto, eu fiquei com o “UC” na mão.
    Que susto !
    Abrax.

    • Luis,

      Obrigado pelo comentário! Pois é, situações como estas são indesejáveis e só servem para contar depois. 🙂

      Imagine como ficou a cloaca deste que te escreve!

      Abração,

      Roberto Severo

  7. Olá!

    Excelente materia. Passou uma imagem muito boa, sem ser excessiva no conteúdo técnico. Geralmente a engenharia da BMW seja nas 4 ou 2 rodas é algo muito fino e unico no mundo.

    Uma dúvida: Estou começando no mundo das motos, e admiro muito essa moto. Para um iniciante como eu, sabendo respeitar as capacidades minhas e da moto, da para encarar ou a F800R é muito?

    Obrigado!

    • Então colega Pedro, desculpe me intrometer, mas fiquei 20 anos sem andar de moto e também tinha essa dúvida/temor. Mas na primeira volta ela já estava na mão. De tão fácil de comandar lembra muito uma velha Honda CB450 que tive. Se for só essa questão, compra que você vai se surpreender positivamente. Abraço.

    • Pedro,

      concordo totalmente com o Bermuda, é uma moto segura e responde rápido aos comandos do piloto! Acho inclusive mais seguro do que pegar uma moto pequena. Vai com fé camarada!

      Obrigado a você e ao Bermuda!

      Abraço a todos!

      Roberto Severo

  8. Show a matéria!
    Peguei minha moto do PowerRanger vermelho (ainda não tem nome…e…é assim q a turma está apelidando a bichinha) sábado (13/10/12)…até agora (17/10/12) foram 2.000 km de muita diversão!
    Concordo contigo que é uma moto MUITO versátil! E olhe que até ser roubado (1 mês atrás) eu guiava uma XT660R!
    Abç

    • Leo,

      deve ter sentido uma bela diferença em relação a XT. São excelentes motos com propostas diversas. gostei do PowerRanger vermelho. Valeu por postar!

      Abraço,

      Roberto Severo

      • Depois de uma semana com a motoka digo que já me acostumei…são propostas muito diferentes (f800r e xt660r)…sinto um pouco de falta da terra…no entanto, tenho me deliciado com o asfalto (principalmente com as curvas!)
        Novamente digo: SHOW DE MATÉRIA!
        Abç

  9. Roberto Parabéns pela excelente matéria!!!
    Tenho uma Branquinha qual peguei não fazem nem dois meses, a Loura está apenas com 170km isso é apenas o começo de nossa Linda relação amorosa..rs.
    Gostaria de perguntar a você à respeito de “roubos” para essa moto, sempre ouço falar que BMW não é visada, mas pela “esculhambação” que é nosso país, e pela onda vergonhosa de roubos muitas vezes seguidos de violência que presenciamos em SP, fico um pouco assustado, e mesmo com seguro acabo muitas vezes evitando de andar em certos lugares. Pela experiência que teve chegou a passar algum apuro?! Enfim gostaria que colocasse para nós leitores seu parecer a esse respeito.
    Agradeço por sua Atenção e mais uma vez parabenizo pelo excelente trabalho.
    Forte abraço,
    Daniel Mello

    • Oi Daniel,

      boa pergunta, e minha resposta é não. Não passei nenhum apuro. A BMW realmente não é das mais visadas, e pensando com a cabeça dos gatunos, eles tem duas motivações básicas para o “empréstimo”: ou para desmanchar, neste caso a BMW não tem um mercado paralelo tão “aquecido”, ou para fugir, neste caso a F800R pode ser uma opção que será levada em consideração. A melhor forma de verificar o risco do roubo de uma moto é cotar o seguro dela, as Cias de Seguro vivem deste risco.

      Valeu pelo comentário, e grande abraço para você e para a “Loura” 🙂

      Roberto Severo

  10. Grande matéria. Grande moto. Tenho uma. Vermelha! A Felícia.
    Culpa do nosso amigo de Bestriders, o Edgar.
    O técnico do nosso campeão Anderson Silva disse certa vez que há melhores lutadores que ele, seja no boxe, no jiu-jitsu, karatê e etc., mas ninguém reune melhor a utilização de todas as modalidades juntas como ele.
    Essa, para mim, é a tradução da F800R. Parabéns.

  11. Que sonho ter uma dessas…só falta dinheiro mesmo..
    Mas se grana não fosse problema; ainda sim testaria a Ducatti monster e a Triumph triple antes de comprar!
    xD

    • Carlos,

      As vezes a gente tem que fazer umas loucurinhas… Vai lá conversa com o vendedor, faz um daqueles bloquinhos de banco, sabe? Hehehe! Não estou incentivando irresponsabilidades não, mas é que foi assim que fiz para comprar a Beyoncé. 🙂

      abraço,

      Roberto Severo

      • É isso aí. Estou com a mimha amante ruivinha ( a minha é vermelha e prata) há 3 semanas e já tô totalmente apaixonado por ela. É linda, deitar com ela é sensacional, e me conra pouco por isso, pois a minha ta fazendo 25/l.

  12. Severo, mais uma vez como sempre, seus textos são tão ricos em detalhes que chega a despontar uma “invejinha” de estar rodando com essa moto!!! Faz tempo que ela me faz suspirar e desejá-la, porém eu nunca havia ouvido (lido nesse caso…) um relato com tantas informações a respeito! Com certeza essa motoca deve ser pura diversão e a única para se ter na garagem, sem faltar nada!! Parabéns, mais uma vez!!! Grande abraço.

    • Boas Péricles,

      Obrigado pelo comentário! Você disse uma palavra, que se eu fosse resumir a experiência com esta moto em uma palavra seria esta: “Diversão”.

      Grande abraço,

      Roberto Severo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


9 × = sessenta três