Bandit 650 – A Abelha das Ruas

11
2729
suzuki Bandit 650 branca

O que mais chama a atenção nesta tetracilindrica da Suzuki, é sem dúvida a sua versatilidade. Bonita no design e funcional tanto no trânsito quanto na estrada.

suzuki bandit 650 branca

Peguei a moto virgem, com apenas 50 quilômetros rodados, o que significa que ainda estava meio “travada”, mas isso não impediu de verificar a disposição do seu motor de 656cc que produz 85hp (10.500rpm), despejados no asfalto pela sua transmissão de 6 marchas.

suzuki bandit 650 branca

Câmbio

Diferentemente do motor da versão de 1250cc, a Bandit 650 não tolera erros de marchas, se colocar uma marcha muito alta, ela fica “xoxa” e o piloto tem que reduzir rapidamente. Isso aconteceu em subidas também. Marcha muito alta em baixa rotação (<4000)? A moto perde potência e velocidade e é necessário reduzir. Típico de tetracilíndricas, porém mais perceptível nas menores. Não é um problema, apenas uma características. A haste do câmbio é macia e não engasga na hora que é acionada.

suzuki bandit 650 branca

Motor

Também característica das motos de “quatro canecos” (4 tempos, 4 cilindros, 16 válvulas DOHC), ela funciona muito melhor em alta rotação. Normalmente rodo com uma Harley Road King, que é o extremo oposto. Dá para contar o giro do motor de cabeça. Quando mudo para uma “tetra”, tenho que acostumar a manter a rotação acima dos 3 ou 4 mil giros para ficar confortável e com troque adequado.

Agrada o motor fechado refrigerado a água e o som produzido por ele é um dos mais belos da categoria. Não preciso dizer que o escapamento é um dos maiores responsáveis por isso, o que é também marca registrada da linha GSX/F da Suzuki.

suzuki bandit 650 branca

Com transmissão por corrente, a resposta é rápida e a retomada não compromete, desde que esteja em rotação alta. Ultrapassagens são feitas de forma segura. Claro que sua irmão maior (1250cc) é um canhão que não merece comparação neste quesito.

Veja o filme da moto no dinamômetro da Bandit 650:

(fonte: Motonil Motors)

Conforto

O assento é bem ergonômico e a distância do guidão, adequada. Tenho 1,80 e me senti bastante confortável, tanto para manobras “fechadas” quando para pequenos tiros na estrada (Jundiaí – SP). O garupa fica em posição levemente elevada em relação ao piloto em um assento recortado e separado, porém, se não ficar na posição “meu Deus, tenho lordose” com a bunda levemente arrebitada, ele vai parar colado ao piloto no assento de baixo. Recebi algumas reclamações da garupa do ponto de vista ergonômico. Claro que a alça traseira ajuda muito na estrada e em velocidade cruzeiro. Mas fica instável, no “freia-acelera” do perímetro urbano.

suzuki bandit 650 branca

Conjunto Óptico e Instrumentos

Nada de especial a declarar, a Suzuki apenas reformulou o design, o que a deixou mais moderna com linhas retas. Boa visibilidade noturna e sob chuva (peguei uma garoa forte). O formato e a posição dos retrovisores são excelentes e oferecem uma visão ótima do asfalto passado.

Os instrumentos são adequados, e trazem um painel bonito e funcional, com conta-giros analógico, velocímetro digital, indicador de marcha, hodômetro total e dois parciais.

suzuki bandit 650 branca

Freios e Pneu

A Suzuki acertou nos pneus – frente: 120/70; traseiro: 160/60 – sem câmara. Aliado a suspensão, agarram bem no asfalto da estrada, permitindo uma pilotagem mais agressiva e com segurança.

Suspensão

Telescópica de 13cm na frente com ajuste de pré-carga e traseira com mola ajustável (força de compressão e retorno). No esburacado bairro de Perdizes em São Paulo, a moto absorveu razoavelmente bem as crateras, mas deixou bem claro que ela não é para isso, gera um certo desconforto para a montaria. Gosta de pista lisa e longa, tanto para a suspensão quanto para o motor.

Ciclística

Aqui identifico um ponto alto, aliado ao pneu, a moto é justinha nas curvas de alta e baixa, mesmo quando acionei o freio na curva (não faça isso em casa), ela permaneceu estável, apesar de brigar um pouco para ficar ereta. Acelerar nas retas é um conforto emoldurado pelo delicioso ruído do motor e da suspensão que segura a frente no chão. Muito agradável mesmo!

Consumo

Beberrona, claro que depende de como for conduzida, mas para ficar interessante mantendo a rotação alta e uma velocidade condizente com a moto, prepare o bolso para encher o tanque de 19 litros. Fez 22 km/l em modo “manso” (incluindo trechos de estrada) e 16 km/l em modo “nervoso” (com 90% de trechos urbanos).

A Prima “S” 

A Bandit 650/S trás um acabamento mais esmerado na frente, com carenagem e espelhos mas bem acabados, mas de alma é a mesma boa e velha Bandit.

suzuki bandit 650 branca

Conclusão

Equilíbrio e suavidade são as palavras que melhor definem a moto. Nesta categoria de moto e preço (R$ 30.900,00), é uma excelente entrada para o mundo dos quatro cilindros. O novo visual dará mais fôlego para continuar como uma das preferidas da categoria de Naked de 650cc. E juntem as características de motor amigável porém potente, e versatilidade.

Keep riding!

11 COMENTÁRIOS

  1. Tenho uma yamaha xtz250z, uso para o trabalho, praticamente zona urbana. Tenho vontade de trocar por uma bandit 650s 2010, 25.000 km, unico dono. Gostaria de alguma opinião à respeito. Não gosto de desobedecer as leis de transito. Só gosto mesmo é de curtir a vida.

  2. Decepcionante,tem torque e velocidade final,porém para chegar em altas velocidades demora uma eternidade,não tem aquela explosão,aquele tiro que te puxa pra traz!!! existe trepidações em certas faixa de giro que chega a incomodar.a 110 de 6 marcha chega a dar dor nas pernas de tanta vibração…..vale resaltar que minha moto tem 6000km e super bem tratada….estou arrependido e muito……

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


7 × sete =